domingo, 28 de janeiro de 2018

SuperNasty


Recentemente a SIC apresentou um formato de programa "pedagógico" (as aspas estão a negrito) já utilizado noutros países europeus. Intitula-se SuperNanny e logo a partir do lançamento virou do avesso o Facebook.
Confesso que o meu primeiro impacto foi de que aquilo parecia interessante, talvez pudesse aprender algo, aproveitar alguma ideia, mas depois comecei a pensar - Há aqui alguma coisa que não bate certo, isto não parece muito legal, muito ético. 
Depois com o desenrolar do programa, quando chegamos ao apogeu do caso, com os berros da criança, definitivamente percebi, que aquilo que estava a ver era incorrecto, era um erro.
A primeira e principal questão que se coloca é a protecção da criança. A protecção da sua imagem e da a sua identidade. Os pais nunca podem partir do pressuposto que aquela criança, quando for maior, vai aceitar que a sua privacidade fosse assim exposta. A SIC que pense nas consequências que a revelação da identidade da criança poderá trazer. Todos sabemos que as crianças são más (quando querem) entre elas.
Outra questão que me pareceu muito estranha... Não acham que havia por ali muita encenação? Se uma equipa de filmagem entrasse nas vossas casas, por muito terroríficos que fossem os vossos filhos, eles não se comportariam com mais cuidados, tendo em conta os estranhos e o aparato??!! Enfim, é só um palpite...
Percorrendo o assunto no Facebook encontrei esta sublime sugestão, que republico, com as devidas autorizações da autora:

"Cada um dos que concorda com o programa "SuperNanny" vai colocar aqui o nome completo, data de nascimento, morada e contacto telefónico.
Cria-se desde já uma base de dados de futuros voluntários para um programa chamado "Super-Olddy" onde os vossos filhos chamarão uma especialista em Gerontologia, para os ajudar a saber lidar com as dificuldades que a vossa velhice lhes trará.
Vai ser giro ver-vos a babar e a gemer e chegar ao final do programa já com a troca de fralda feita e sem refilarem!"

Como o assunto prometia, eis que um Tribunal do sul decide, estes dias, suspender o programa. Da minha parte merece um aplauso, afinal a justiça portuguesa não é tão fraca como às vezes parece. 
A SIC apresenta o seu lamento e acrescenta que na Suécia e Reino Unido o programa é aceite! 
Poderíamos responder-lhes - Então vamos propor o envio de alguns juízes portugueses para lá, porque algo não está bem no sistema judicial daquele lado...

Sem comentários:

Publicar um comentário