quinta-feira, 27 de novembro de 2008

A imagem que vale por mil palavras


Enquanto fazia a minuciosa pesquisa de fotos para publicar no nosso blog, encontrei esta relíquia... A qualidade não é brilhante, vivia-se ainda no tempo do preto e branco ou.. branco e preto. Já analisaram bem a sua intensidade e profundidade?
Possivelmente uma das fotos mais inteligentes que vi em toda a minha vida.
Dedico-a a todos aqueles que ainda vivem atolados com preconceitos, presos por teias de ódio, segregação e discriminação.
Abraço
G.

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Crónicas estapafúrdias vol. II - "Sem palavras"


Estou radiante! Recebi até agora poucas, mas estupendas "crónicas estapafúrdias", enviadas pela "formiguinha", pelo "Nel", "shadow chronicles", "bla....bla.."; "Glosa" e uma última de uma colega anónima que decerto vos terá sensibilizado.
Enquanto lia a história da "formiguinha" (Não, não é uma fábula, pelo contrário) dei por mim a imaginar o cenário, começando de certa forma a inventar. Espero que ninguém me leve a mal, sem querer de forma alguma distorcê-las, permitam-me que às vezes comece a divagar sobre elas..

Era um domingo de manhã, a equipa estava toda preparada, nos seus rostos adivinhava-se o receio. O CODU tinha telefonado, "Atropelado, com aproximadamente 80 anos, quase amputação do membro inferior esquerdo e péssimo estado do membro inferior direito". Quando o CODU ligava, normalmente não era para dar boas notícias, desenvolto o enfermeiro da área de trauma\reanimação apressou-se a reunir o anestesista, o cirurgião e o ortopedista. O Enf. P tinha telefonado ao seu colega da equipa da vmer para saber mais detalhes, A vítima é trazida pelos bombeiros, a vmer está noutro acidente, acrescentou. Além do velhinho vir sem os cuidados da vmer, ainda lá vem outro acidente, desabafava alguém. É a lei de Murphy, quando algo está mal, só tem tendência a piorar!

Lá vêm eles! Entram em passo de corrida, 3 bombeiros ainda jovens, suados e descorados. " Foi atropelado por um carro que fugiu", informa um.
A Sala de Emergência já estava aberta, a passagem entre macas foi rápida. O Sr. João estava obnubilado, pálido, muito provavelmente hipotenso pelo volume de sangue perdido. Ambas pernas com ligaduras colocadas à pressa, tingidas de sangue e coágulos. Foi o que conseguimos fazer, lamentava o bombeiro que aparentava mais experiência, ao reparar no descrédito do enfermeiro que as cortava. A perna esquerda estava de facto desfeita, teria que ser amputada, na direita via-se uma fractura (muito) exposta. O Sr. João começava a acordar e com ele as dores que se tornavam lancinantes. Tinha a perfeita noção de onde estava, o TCE deveria ter sido ligeiro. Num ápice tinha um expansor plasmático e sangue em perfusão, as tensões estavam a subir, a morfina começou a fazer efeito. O stress começava a atenuar, a anestesista mantinha-se à cabeça dando indicações sobre as drogas e tentando tranquilizar dentro do possível o Sr. João, o cirurgião ocupava-se fundamentalmente do tórax, os enfermeiros tinham iniciado as perfusões e iam adiantando registos de sinais vitais. O Sr. João estava calmo, sabia a gravidade da situação, mas era uma pessoa forte, habituada aos dissabores e imprevistos da vida.

Eis que surge em cena o Dr. E, médico ortopedista, médico dos "ossos" como frequentemente se auto-apelidam, "Ó avózinho, umas das pernas já se foi e a outra....vamos lá ver!!!!" na altura a formiguinha ficou sem palavras, o ambiente tinha sido abalado, ficaram todos sem palavras... incluindo o Sr. João.
nota: porque pra meu agrado, este blog não é lido apenas por profissionias de saúde, aqui vai: CODU - centro de orientação de doentes urgentes; VMER - viatura médica emergência e reanimação; TCE - traumatismo crâneo-encefálico
Espero ansiosamente as vossas crónicas estapafúrdias!!!

sábado, 22 de novembro de 2008

Crónicas estapafúrdias vol. I - "Mais eu durmo.."


Amigos blogistas,
Quantas vezes não ouviram ou participaram até, em episódios cómicos, hilariantes, incríveis, surreais, anormais, tristes, deprimentes, no fundo estapafúrdios, em contexto de trabalho??! Não tenho dúvidas que sim.. Eu já assisti, já ouvi, e se calhar até já fui protagonista..
Este não é o meu espaço, é o nosso! A partir deste momento estão abertas as "Crónicas estapafúrdias". Relatem, através dos "Comentários", tudo o que achem que vale a pena outros conhecerem, para assim rirem, ou chorarem convosco..
Este é o primeiro volume e de seguida apresento-vos as primeiras crónicas. As seguintes vão sendo expostas por mim e por vós. Lembrem-se! Por nós! Eu apenas faço o papel de gerir, de compilar e espero eu "publicar" os próximos volumes.
Involuntariamente estas crónicas já começaram com o post "As Setas", quem ainda não o conhece, recomendo.
Nota: As Crónicas reflectem interacções entre todas as classes profissionais e/ou utentes: enfermeiros-médicos; médicos-AAM; utentes-AAM;Técnicos RX-enfermeiros; fisioterapeutas-médicos; Técnicos laboratório-farmacêuticos, etc, etc, etc.. todos os cruzamentos possíveis!
Todos os nomes nelas contidos são pura ficção. Baseado em factos verídicos.
Vol. I
Pouco passava da 1h da madrugada quando a Dr. L entra em OBS, dirigindo-se à cama 6. Sr. António, você tem que ser operado! atira fulminante. Após 4 segundos de um longo silêncio, responde ainda atónito, operado??! eu? Sim! o Senhor precisa de ser operado, repete. O Sr. António era uma homem da lavoura, que com os seus 82 anos ainda semeava batatas, braços carregados de veias do trabalho duro, pele um pouco estragada pelos anos e pelo sol. Suspeitavam de uma peritonite, sabiam o risco, sabiam que muitos como o Sr. António, apavoravam-se com a mesa de operações, preferiam morrer em sofrimento mas em casa, do que no escuro, na solidão, num bloco operatório.

Os verdadeiros cirurgiões fecham a cortina da cama 6 de OBS e sentam-se na cama, junto ao Sr António. Está melhor? ainda são muito fortes as dores de barriga? Já aliviaram um pouco Srº Doutor, obrigado, Deus o abençoe. Srº António o senhor está com um grave problema na barriga e se nós não o operarmos o senhor vai continuar a ter muitas dores e muito possivelmente não vai resistir. Mas eu tenho 82 anos doutor, já não tenho idade pra operações..
Tem razão, já não tem idade pra estas andanças, mas nós também não o operaríamos se não achássemos que era o correcto. E acredite em nós, o mais correcto é percebermos a causa da sua dor, que agora aliviou mas durante a noite pode ser insuportável, e amanha e depois de amanha piorar ainda mais.. pois doutor o que eu quero é que este sofrimento passe, completa o doente. Hoje em dia tudo é muito mais seguro, nada é como antigamente, no tempo em que muitas coisas ainda se estavam a experimentar, a estudar. Não lhe digo com toda a certeza que tudo vai correr bem, mas posso assegurar-lhe que temos muitas hipóteses para que não corra mal. Pronto Drº vamos a isso então, termina menos assustado.

Na verdade, como a Dr. L não era uma verdadeira cirurgiã, esperou que o Sr António dissesse que não queria ser operado e então, desta vez, termina ela "Olhe, mais eu durmo.." E será que dorme bem?! pergunto eu...FIM
Depois de uma primeira crónica um pouco extensa, finalizo com outra mais curta e com pouco enredo..
Doutor! chama ao longe, no corredor, o enfermeiro T. O que é que o doente da maca C vai fazer ao Porto? Não sei o que é que isso lhe pode interessar, responde o médico. Incrédulo, não ouvi como acabou esta crónica estapafúrdia, mas com tempo, sendo comigo, talvez lhe tivesse respondido que provavelmente interessaria, para puder explicar ao doente o que de facto vai fazer ao Porto.. por muitos defeitos que tenhamos acho que os enfermeiros evitam dizer: "Olhe Sr. Araújo, você tem uma PCR elevada, as enzimas estão normais, vamos ver...." é preciso ver, ver.. logo... E assim sem querer passou a 3ª crónica estapafúrdia... é a vossa vez!!

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

(Dis)Stress em Enfermagem



Nota prévia: CAROS COLEGAS INTERVENIENTES! Gostaria de apelar à vossa imaginação! Se não se quiserem identificar, encontrem uma personagem como o Melga, CSI Viana, Guilherme, Soldado raso, Glosa, Shadow chronicle, etc.. torna tudo muito mais aliciante, curioso e organizado, como calculam.


Há dias, num jantar de amigos, estivemos a ver umas fotos dos tempos do curso. Reparei que uma razoável parte dos colegas estavam hoje mais magros, retirei-me e anotei a constatação no meu bloco virtual:"Enfermagem emagrece... exemplo: fotos do curso", já a pensar num futuro post. Magiquei sobre o assunto e associei este emagrecimento com o stress do dia a dia de trabalho.
Após discussão com a minha colaboradora especial, depressa exclui esta associação, ou seja, não posso generalizar. Todos temos as mais variadíssimas respostas fisiológicas ao impacto do stress, uns perdem o apetite, consequentemente o peso; outros comem desalmadamente logo dão trabalho à balança.
Poderíamos enumerar uma lista infindável das nossas formas de reagir ao stress. Pode ser um desafio interessante, enfrentem os vossos medos e confidenciem-se, (não! não sou pároco, condutor espiritual ou um ávido curioso, apenas alguém que às vezes tem ideias que podem ajudar). Eu começo: O (dis)stress provoca-me perda de apetite, torna-me menos paciente, por vezes áspero; o (dis)stress limita os meus movimentos, os meus pensamentos, aumenta negativamente a minha carga emocional. E a vós?

A expressão ajuda à emancipação!

Para complementar e finalizar deixo-vos com um interessantíssimo trabalho de investigação da Psicóloga Susana Cabanelas, cliquem aqui e garanto-vos que não vão perder o vosso tempo. Trata-se de uma síntese em power point, de rápida leitura, mas suficientemente esclarecedora. Apresento-vos apenas algumas conclusões do seu estudo: Stress ocupacional em profissionais de saúde: Um estudo com enfermeiros portugueses

"Elevada experiência de mal-estar e pressão profissional afectam percentagem significativa de trabalhadores"
Factores negativos:
  • Níveis elevados de stress e exaustão emocional.
  • Tomar decisões onde os erros podem ter consequências graves e a incompetência e/ou inflexibilidade dos superiores hierárquicos são os problemas que mais geram stress.

Factores positivos:

  • Baixos níveis de despersonalização
  • Elevado sentimento de competência e realização profissional
    Baixo desejo de abandonarem a profissão
  • A maioria dos enfermeiros voltaria a optar pelo mesmo curso

Como muito se tem discutido por cá, está provada então a nociva pressão que os nossos "chefes", sejam eles enfermeiros ou não, podem exercer. Portanto encaminhem este estudo para a caixa correio dos vossos chefes, pode ser que se mudem atitudes...

....para fugir um pouco ao stress recomendo este magnífico video, deixem passar cerca de 1 minuto e meio e disfrutem, clicando aqui


Cá estarei...Abraço!!

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Euro-milhões dos hospitais


O email que mais vezes tenho recebido esta semana intitula-se: "Quanto vale a nossa administração". Parece que está a circular a alta rotação! Até o Guilherme o recebeu!! Pra quem não teve a oportunidade de o receber pode clicar aqui . Leiam e indignem-se.
No post anterior falou-se dos enfermeiros chefes, agora dos nossos "patrões", que não se pense ser uma perseguição a quem manda. Simplesmente uma constatação de factos, uma exposição de verdades.
Nunca fui a favor da anarquia.. minto.. quando tinha 13 anos usava o pin anarquista... mas não sabia o que aquele A significava.. era radical. Hoje sei que em qualquer grupo, empresa, instituição tem que haver quem mande. Agora há aqueles (muitos) que mandam à maneira antiga, de forma ditatorial e mercantil e existem os outros(poucos) que mandam atendendo às opiniões dos seus trabalhadores/colaboradores, motivando-os, liderando-os, recompensando-os justamente e acima de tudo respeitando-os. Já justifico o porquê de salientar o respeito.

  • Temos administradores de fábricas/empresas que por obra do espírito santo se tornam administradores hospitalares e julgam que continuam a lidar com mercadoria.

  • Temos administradores hospitalares (AH) que acham os enfermeiros dispensáveis e que se estes reclamam muito, haverá outro tantos em lista de espera para os substituir (exemplo disso as tristes declarações off-record de um A.H. , que também muito circularam pela net).

  • Temos AH que acham que um aumento de 40 cêntimos mensais é justo. (H. Particular de Viana do Castelo)

  • Temos AH que, por "castigo", baixam os suplementos a enfermeiros contratados, reduzindo para 25% o valor das horas suplementares; o que significa, para ser mais claro, um ROUBO que ultrapassa os 200 eur. Onde estão os valores de justiça e igualdade supostamente conquistados com o 25 Abril?! (espantados pelo "castigo"?! leiam então esta circular, clicando aqui )

  • Temos AH que justificam este roubo face ao défice do hospital, ou seja os enfermeiros (contratados) são os que saem prejudicados pelos erros sucessivos de administrações passadas.

...podem continuar, se quiserem, pois já me cansei...
... e o pior, é que estas comissões de administradores são constituídas por enfermeiros. Enfermeiros que no passado lutavam pela evolução de enfermagem, lutavam contra a exploração, por melhores salários ou.. aguardavam o desenrolar dessa luta, passando o tempo talvez a.. limpar sapatos.. digo eu.. (hoje também é assim... há quem se mexa e há quem fique à espreita................................)
Enfermeiros que deveriam assumir um papel de defesa, mas pelo contrário mantêm posição de ataque, com reduções de custo a todo custo. Vão competindo para ver qual apresentará os melhores resultados no combate ao défice, isto através de ginásticas e artimanhas desmedidas, por exemplo na mobilização de enfermeiros e execução de horários (meses críticos sobrecarregam os horários sem pagamento de horas extraordinárias, nos meses não críticos, "dispensam", mandando os enfermeiros para casa vários dias seguidos. Nem de uso se classifica, mas sim de abuso.
Enfermeiros que compactuam com o roubo de 200 euros que referi acima, mas que auferem 52.067 euros de remuneração base e 13.389 euros de despesas de representação mais 891 eur de subsídio de refeição (anualmente), ou seja, remuneração base mensal de 3.719,08 eur 14 vezes por ano; despesas de representação de 1.115,72 12 vezes por ano


PAGUEM-ME EM DESPESAS DE REPRESENTAÇÃO POR FAVOR!


Este é o país em crise?! pudera...


Haja respeito! Exijo respeito!

SESSENTA E SEIS MIL E TREZENTOS E QUARENTA E SETE EUROS de rendimento anual??! deve ser um 2º ou 3º prémio do euromilhões anualmente!!

ok.. têm mais anos de serviço, há um investimento curricular (nós todos também investimos e nada..), há o jogo político, o factor C, gerem milhões, etc.. mas porra! nós colaboramos na "gestão" de vidas!! Mais uma vez o $$$$ prevalece.

Querem poupar dinheiro?? perguntem aos enfermeiros como! Todo os dias vejo dinheiro nos hospitais a ser jogado ao lixo. Lanço o desafio, enumerem formas de poupar num hospital. Eu começo com uma: médicos que fazem turnos de 48h?!? Sabem quanto eles ganham nesse fim de semana?! Não sabem?!.. nem eu... mas sei que são uma largas centenas de euros...e se despertam o seu precioso e valioso sono ui ui...
hasta la vitoria, siempre!

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

O inquérito obrigatório

Depois de uns dias de ausência, onde ocupei o meu tempo livre a tentar perceber (com ajuda), as potencialidades de um blog e funcionalidades até aqui desconhecidas, com o intuito de o tornar mais dinâmico (ainda não está como quero!), regresso com a promessa de abordar temas escaldantes!
Devo agradecer à colega Helena Neves que autorizou a publicação do seu inquérito sobre "Assédio Moral" aqui no nosso blog, pois foi assim que finalmente percebi como colocar um documento numa pagina web.. de facto a internet é uma coisa maravilhosa, é um dos acontecimentos do século.
Num dos posts anteriores foram abordados os temas "Agressão/Assédio Moral", nessa altura o Assédio moral ficou em 2º plano (para perceberem o porquê, leiam-no).

Tudo começou quando chega à minha caixa de correio um pedido para responder ao tal inquérito, de imediato o fiz, aproveitando claro para guardar o email desta colega, para ser mais um na minha ainda curta lista de destinatários para divulgação do blog.
Assim mantivemos um contacto, através do qual faz o seguinte comentário:

"Caro colega,efectivamente o assedio moral é uma praga que assola a enfermagem e que tem consequências devastadoras para quem é assediado. Interessante verificar que quem assedia mais os enfermeiros são os seus chefes, também enfermeiros. Despotismo destes e falta de consciência de quem é assediado nos seus mais básicos direitos humanos,leva a que se torne urgente DENUNCIAR, DENUNCIAR, DENUNCIAR todas as situações para acabar com a praga do século XXI.Helena Neves"

esta conclusão interessante e polémica, advém do seu trabalho de investigação.
Neste âmbito, podemos subdividir a AGRESSÃO em duas: a física e a moral. Agressão moral ou Assédio moral é uma forma de condicionamento, de repressão, de opressão, de discriminação em ambiente de trabalho.
Para a percebermos melhor, convido-vos, finalmente, a visitar:
este link
Além de ser oportuno e cativante, deu-me uma trabalheira criá-lo, por isso leiam e vejam se são vítimas de assédio moral.

Recentemente caracterizei o perfil do Guilherme de Carmo, referindo ser "ouvido atento". Principalmente agora, nada me escapa, por isso constato que enumeros são os colegas que por isso ou por aquilo, se queixam dos seus chefes.
O problema começa com o próprio conceito. Consultei o dicionário e reparei na definição de chefe: "o principal entre outros; o encarregado de dirigir um serviço; comandante; cabecilha; capitão; caudilho"
Sempre tive a conotação de que chefe é alguém que pode, quer e manda e que a sua ideia prevaleçe sempre.
De facto alguns levam à risca esta definição e conotoção, impondo as suas "políticas" sem diálogo, criando desagrado com o autoritarismo e arrogância.
Agora nesta nova reformulação da carreira deveriamos apelar à Ordem para mudar o "chefe" para Enf. coordenador ou Enf. motivador, sei lá.. sugiram!!
Temos bons e maus chefes assim com temos bons e maus enfermeiros.
É difícil, de facto, agradar a todos..
Agora ser justo e agir de igual forma com todos os elementos da equipa é fundamental, mas grande parte não o faz, na minha opinião.
Decididamente, não é surpresa a conclusão do trabalho de investigação da colega Helena...

Como nota final devo realçar a honra que foi receber um comentário do famoso administrador do blog "doutor enfermeiro". É gratificante perceber que o blog está a ser divulgado não apenas por mim. Não percebi foi o que ele quis dizer: "Ex.mo colega,a liberdade do outro acaba onde a deixar-mos acabar." Porém vou finalmente visitar o seu blog e ter a oportunidade de lhe perguntar.
Assim me despeço, com o desejo de vos ver por cá

sábado, 1 de novembro de 2008

Sala de pânico



Assim como nós somos vítimas, os utentes também o são.. e em maior número.
Não posso abordar a questão apenas num sentido.
Não tenho conhecimento de casos em que foram vítimas de agressão física, haverá decerto.. agora de agressão verbal.. todos temos conhecimento. Mais uma vez tenho que exemplificar com casos do meu dia a dia..

No meu serviço existem várias áreas/salas/gabinetes de trabalho, uma delas, a que eu vou retratar, vou denominá-la de "sala de pânico". Não vos vou dizer qual.. mas vão chegar lá. Quantas vezes, na triagem de Manchester, os utentes perguntam: "Sr. Enfermeiro, quem é o médico de serviço, não me diga que é o Dr. Q?!" eu respondo, fingindo-me de ingénuo: "por acaso não" ao que ele comenta: "ui que alívio!". Ou então respondo: "por acaso é.." e aí é fácil perceber o seu pensamento "já fui.." e algumas vezes vão mesmo.. vão pra casa. Outros arriscam a sua sorte e esperam não calhar nas mãos do Dr. Q.

Mas quem é o Dr. Q?! O Dr. Q é alguém que foi para medicina, mas detesta pessoas.
É alguém que trata as pessoas com desprezo.
É alguém que já classificou uma pessoa de animal (pelo menos que eu tivesse ouvido)
É alguém que não sabe o que é dor, nem sabe o que é aliviá-la ou pelo menos tentar (mas aqui não é o único)
É alguém que gosta de zombar com as pessoas, principalmente os indefesos.. porque com os outros pensa duas vezes.. às vezes!!
É alguém que se acha com piada..
É alguém que (naturalmente) já foi agredido.. portanto algumas das agressões têm um pontinho de justificáveis.. e eu sou anti-violência..
É alguém que frequentemente berra: "Esteja quieta c...lho..!!! f....da-se.."
É alguém que age como que se o utente fosse o culpado da situação, por vezes trágica, que o levou ao hospital...
Já chegaram lá?! Apesar de haver alguns que se assemelham nalguns pontos... este é caso único de brutalidade..
Felizmente a reforma avizinha-se.. felizmente, pra todos nós..... e para ele.. pois não deve ser de 200 euros.. tem mais uns zeros à direita.. deveriam ser à esquerda

Para descongestionar um pouco, recomendo-lhe, Dr. Q, o seguinte vídeo:

video
a mim tocou-me, a ver se a si lhe toca.. vai de encontro ao tema já falado, relações entre as pessoas e a distância, frieza, desprezo entre elas..
Continuando na sala de pânico.. havia também o Dr. Z que também era hábil no relacionamento e tratamento do utente..
Gostava de chamar os enfermeiros e pedir: "quero 2 ligaduras de 5, 3 de 10 e 2 de 15... e retire os invólucros" inteligente era o colega que enquanto o Dr. Z pedia as de 10cm já tinha abandonado a sala.. grande Filipe! (já agora obrigado pelo comentário.. as setas esquece-as, que não vale a pena).
Reconheço que não tive essa acertada atitude.. hoje já a teria, porque, sendo confrontado, era muito fácil argumentar o porquê da saída da sala.. os anos não nos trazem apenas cabelos brancos.. também trazem integridade
Outro colega igualmente inteligente, acrescentava: "desta vez retiro eu, mas na próxima retira o senhor"
Agora que o homem era poupado ai isso era... guardava sempre as luvas de doente pra doente, não vá o hospital ter despesas excessivas...

Por fim me despeço apenas salvaguardando que isto das agressões verbais não toca exclusivamente aos médicos... todos os outros, voluntária ou involuntariamente agridem verbalmente o utente.. conversas pra outros posts..
Até breve!