quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Opiniões IX - A vergonha das faculdades de medicina


O espaço "Opiniões" são comentários de visitantes, que considero relevantes. O meu único trabalho é editar um pouco o texto e eventualmente fazer um título, como este. 
Para mim é um prazer ter este espaço no PDDSE, por isso convido-te para opinar. 

Desta vez uma anónima, que é licenciada em enfermagem, mas que agora estuda medicina, oferece-nos um excelente testemunho sobre o que é que os médicos pensam dos outros profissionais de saúde e a cultura que perdura e é transmitida pelas faculdades de medicina... promete.

Sou licenciada em Enfermagem e actualmente sou aluna de Medicina. Muitas vezes em aulas da faculdade, os próprios professores durante as aulas fazem uma espécie de "lavagem cerebral" aos alunos sobre o quão magnifica é a Medicina e o quão importante é num serviço hospitalar, por exemplo. Como se fossem os donos do mundo... Apercebo-me muitas vezes que falam da Enfermagem e dos outros profissionais de Saúde com um certo desdém até. 
Apesar de ser muito acarinhada pelos meus colegas de curso de medicina, sei que eles me vêem como uma "enfermeira frustrada que entrou em medicina". 
Para os meus colegas de curso de enfermagem, sei que eles me vêem como uma espécie "de traidora da enfermagem", portanto, posso dizer que as palavras de colegas de enfermagem de encorajamento, neste novo desafio, foram poucas, muito poucas mesmo. 
Contudo, pela minha experiência académica, sei que ambas as profissões completam-se e bastante... Muitas vezes em conversas de café, realmente oiço pessoas a dizer que os enfermeiros são uns inúteis, mas prontamente respondo sempre que os enfermeiros podem ser os maiores aliados dos médicos porque podem antecipar muitas complicações e são também os melhores gestores nos serviços.
Que adianta o melhor cirurgião do mundo operar cem pacientes numa semana se depois não existem enfermeiros nas enfermarias a dar continuidade aos tratamentos e a gerir planos de altas?

32 comentários:

  1. Mais uma enfermeira frustrada e que se quer convencer a ela própria que não o é...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. a estupidez ao mais alto nivel. qual o problema de alguem que acaba o curso de enfermagem e depois decide que quer seguir medicina? Será menos médica por isso? mete a mão na consciência e vê a idiotice que dizes

      Eliminar
    2. Não há problema nenhum mas se o que pretendia era evoluir devia ter feito o contrário: 1° tirava o curso de medicina e depois licenciava-se em Enfermagem!

      Eliminar
    3. Qual o problema de ser frustrada?!... Hoje em dia cada vez há mais Enfermeiros frustrados com o que têm feito a toda a classe profissional. Não é normal que assim seja? Esta colega pelo menos está a lutar para mudar para uma profissão mais reconhecida... aqui o mal é que tem vergonha do que se ensina nessa escola de Doutores! Se calhar é melhor pensar novamente se é essa a Licenciatura que pretende MESMO!...

      Eliminar
    4. Toda a gente sabe que a classe médica é uma classe à parte... composta por demasiadas pessoas que em vez de exercerem medicina exercem douturismo... que maioritariamente não passam de ratos de biblioteca, com baixa auto-estima verdadeiras enciclopédias ambulantes, que se babam quando ouvem " sr. dr" e se sentem menosprezados se esse titulo não for mencionado... quantos ingressam em medicina por ambicionarem o titulo e o status envolvente? Demasiados, a maioria na verdade. Dr.s que enquanto alunos foram formatados para se sentirem acima de tudo e de todos, para receberem as viagens e prendinhas dos delegados de propaganda médica que agora se diz informação médica ..., das lembranças dos doentes eternamente gratos por o trabalho que é suposto fazerem ... mesmo depois de terem esperado mais 2 horas após a hora da consulta porque o sr dr se atrasou vindo da clínica privada... Sou Enfermeira por decisão pessoal e não por não ter nota para entrar em medicina... Só não sei é se vou continuar muito mais tempo por cá. Vivemos num país putrefacto, de valores invertidos, numa sociedade cega em que vinga o compadrio e a chique-espertez. Perdoem-me o desabafo...

      Eliminar
    5. Perdoar!!?? Acho o teu comentário exelente.. infelizmente há médicos assim, é verdade. Não todos, mas é bem real o que dizes. Mais um comentario digno do espaço OPINIÔES

      Eliminar
    6. Mais vale frustrada, que não se acomodou à frustração e lutou para mudar para melhor e conseguiu, do que alguém com dor de cotovelo a criticar quem luta para mudar para melhor.
      Parabéns a esta futura ex-enfermeira e futura médica. Desejo que nunca esqueça o que é a arte de cuidar.
      Quanto ao elitismo da formação em Medicina, mantêm-no e fazem muito bem. Quanto à relação com o ser humano necessitado de cuidados de saúde, tem vindo a melhorar a forma como os médicos se relacionam com os doente e família, embora ainda haja muito a fazer nesse campo.
      Mas não entendo qual a revolta e o espanto com tudo isto. Não são os próprio enfermeiros da "gestão" que não permitem que os enfermeiros não tenham internet no serviço, quando todos os outros profissionais o têm (excepto as AO, em que, não por acaso, as encarregadas das mesmas mimetizam as chefias de enfermagem em tudo)
      Não é estranho que a enfermagem e as AO sejam as classes onde maior redução de profissionais houve? Vejam se houve redução do nº de médicos, gestores, Assist. Sociais, etc... Agora até há uma Assist. Social por serviço. Nem sabem o hão-de fazer para lhes dar trabalho.

      Os médicos cuidam deles mesmos?!?!?! Fazem muito bem!!!!
      Só tenho pena de não ter média para frequentar o curso de medicina.
      Deixava logo de fazer noites, fins-de-semana e feriados a trabalhar.

      A maioria dos comentários faz-me lembrar a fábula, de Voltaire, da raposa que não conseguiu alcançar as uvas: "Estão verdes, isso não as quero."

      Post Scriptum: Não sei se estou frustrado ou cansado da falta de condições de trabalho e de andarem a gozar connosco há imenso tempo.
      Um abraço Guilherme e continua com força.

      Eliminar
    7. Só me aptece responder assim ao individuo que respondeu à autoria do texto escrito da estudante de medicina. Pois, sabes não é toda a gente que tem Enfermagem e Medicina é preciso ser uma pessoa que AMA a saúde , só quem ama , é capaz de estar anossss a estudar e estudar !! Como sempre disseram a Sabedoria e o que é mais de preciosa em nós!! Chamem as pessoas de frustadas ou o que quiserem , mas uma coisa eu sei , tirar o curso de Enfermagem é CHAPADA DE LUVA BRANCA para SIMMM médicos muitooooosss qu existem neste Pais e que são imcompetentes , só por terem médias altas pensam ahh eu tenho vocação para Medicina!! Enterrem-se por favor, julgar é fácil, mas entender é e será sempre dificil, porque a raça humana de si já é um ser predador

      Eliminar
    8. Médicos que se formaram fora do país e que têm nacionalidade portuguesa que vão todos laurear a pevide para outro lado e não voltem maus! Cambada de anormais.

      Eliminar
  2. Li o comentário do Anónimo 22 de Setembro de 2013 às 22:43, não posso estar mais de acordo.
    As nossas chefias são uma cambada de bananas, vivem à sombra do seu estatuto de STAFF (Sem Trabalho Atribuído Faz que Faz), só sabem infernizar as nossas vidas e complicar. Espero que a Troika envie esses gajos e gajas para a mobilidade. Acreditem ficamos muito melhor sem eles, assim como as AO ficam melhor sem as "encarregadas".
    Quanto ao não acesso à Internet, é uma vergonha! será que essa gentalha não se enxerga, querem limitar ou controlar o quê. Só mesmo os nossos chefes e aquela velha da informática, vivem para menosprezar os outros, e assim sentem-se menos pequenos, querendo parecer que são grandes. Coitados! a Internet há muito que está nas nossas mãos, numa coisa que também dá para telefonar e mandar sms... fico por aqui

    ResponderEliminar
  3. Não concordo com anónimo das 22.43 quando diz futura ex.-enfermeira porque uma enfermeira é sempre enfermeira mesmo que vá só exercer medicina não será um medico como os outros a enfermagem vai sempre lá estar e os utentes iram sentir a diferença nesta medica pois será mais humana e verá o doente como um todo. Boa sorte

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que raio de mania tem os enfermeiros de acharem que são mais humanos que os médicos. onde está o fundamento disso.

      Eliminar
    2. Não percebo nada nada nada essa ideia de que os médicos são "menos" humanos do que os enfermeiros. É descabida e irrealista! Há pessoas mais atenciosas (e adjetivos por aí adiante que tentem caraterizar um "melhor" humano) e menos atenciosas em todas as profissões! Puramente rídicula essa teoria

      Eliminar
    3. Quase todos os médicos e principalmente os que se licenciaram agora são uma Merda! Perceberam bem? Uma Merda! E porquê? Ora porque ele licenciaram-se porque os pais os obrigaram a isso.Dizendo-lhes frases: "ou vais para medicina ou vais para as obras!". Os novos médicos são médicos porque os seus papás só lhe davam as coisas que eles queriam em troca destes se formarem em medicina. Portanto, digo e repito sem pudor nenhum: os novos médicos são merda, merda,merda, merda. E principalmente aqueles médicos burros como sseixos que nem média para entrar no próprio país tiveram. Espero nunca ser atendida por médicos assim. Nunca!!!! Ouviram bem? Nunca. Não suportp gente burra, estupida e ignorante que nem no próprio país se consegui licenciar. Querem a minha opinião? Quem tira o curso de medicina fora porque é menos inteligente não volta mais e acabou-se aqui a história da carochinha! Passem bem.

      Eliminar
    4. Antes demais,parece-me que o senhor/senhora é que é uma frustada, parece-me que no fundo gostava de entrar em medicina e secalhar não conseguiu.
      Um bom médico não se resumo a médias de 18/19 no secundário ( até que parece que é super fácil) tantas pessoas que sonham , que amavam seguir Medicina com a unica finalidade de ajudar as pessoas e não conseguem pela exagerada média do nosso país. Esquecem-se as pessoas como você que matéria de secundário não é a materia de medicina. Alem do mais, de que vale ter grandes notas se depois é uma pessoa que se vai tornar médica sem sentimentos. Concordo de quem não conseguir cá e o sonho for mesmo de coração de medicina, tentem fora de Portugal. E olhe, já que todos os médicos são tão merda, o que é de si quando fica doente? O problema de Portugal é mesmo este, se aquele não vale nada, todas as pessoas que exercem a mesma profissão são iguais. É triste!!

      Eliminar
  4. Adorei a "velha da informática"......

    ResponderEliminar
  5. Caro Guilherme,
    recordo-me perfeitamente as circunstâncias de ter redigido esse texto.
    O que posso dizer à malta que me acha frustrada, posso dizer que sim, fui muito frustrada quando trabalhei como enfermeira em Portugal. No entanto senti-me realizada quando mal acabei o curso emigrei para Espanha. Mas porquê frustração num sítio e não noutro? Reconhecimento do meu trabalho, essencialmente. Em Espanha fazia parte de uma equipa em que havia igualdade, em que era possível ter direito a opinião quer fosse enfermeira, fisioterapeuta, médica, psicóloga, auxiliar de enfermagem até. E foi um choque para mim quando voltei para Portugal para trabalhar num hospital, digamos, elitista, em que para não haver chatices teríamos de estar bem caladinhos e aceitar as coisas com uma humildade falsa.

    A ânsia típica de gente jovem como eu, é saber mais e mais. E também de perguntar o porquê das coisas. E quando perguntava algo a um colega ou a outro profissional da equipa em Portugal, a resposta era vaga ou diziam-me que não tinha tempo para dar explicações. Coisa que em Espanha havia tempo para explicações, um café e dois dedos de conversa no fim do turno. E aquele ambiente que passei num hospital português em que havia chatices diárias com os colegas em que basicamente tentam "lixar" uns e outros fez-me pensar se era aquilo que me queria tornar nos próximos anos. Pode pensar que a palavra bullying é uma palavra forte para caracterizar o ambiente hostil criado pelos colegas, mas não encontro palavra melhor. Os utentes podem ser as pessoas mais queridas do mundo, mas a verdadeira essência da enfermagem no nosso Portugalzinho está tornar-se numa selva em que os predadores são os nossos colegas. E como deve imaginar o nosso nível de motivação cai nas lonas.

    E claro que tenho a mesma impressão de hostilidade entre médicos. Tenho muito boas histórias de arrufos cómicos ou mais dramáticos entre os meus professores de Medicina Interna e de Cirurgia.

    Steve Jobs escreveu ou disse (não me recordo bem qual foi a sua forma de se expressar) que "a melhor maneira de fazer um bom trabalho é amar o que se faz. Se ainda não encontramos, continua-se a procurar porque o nosso coração vai-nos dizer quando a encontramos realmente". E acho que encontrei mesmo.

    E fica a minha mensagem para outros que se sentem frustrados como eu fui: continuem a procurar. É dos bravos que reza a história...

    Sofia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Orgulhosamente Enfermeira4 de outubro de 2013 às 11:15

      Parabéns colega (que nunca o deixara de o ser mesmo exercendo medicina. Vejamos o caso dos nos excelsos Doutores Enfermeiros que formam colegas para o desemprego, muitos nunca trabalharam como profissionais mas são Enfermeiros). Ainda bem que enveredou para medicina e não foi outra infeliz comtemplada com trabalho não qualificado e com " excesso de competências" para o emprego que encontrou.
      A inveja é algo que pode impulsionar mudança de comportamentos, mas não ligue aos olhares e até comentários de colegas e futuros colegas, pense no benefício que tem em relação aos futuros colegas. Saber que se trabalhar em equipa com os enfermeiros faz aumentar a probabilidade de ganhos para si como médica e para o utente. Melhora o ambiente entre profissionais e evita custos desnecessários ( Quem não conhece casos de prescrições placebos que não resolve a causa, mas evita o contacto com o utente? Quem não conhece indicações de avaliações de sinais vitais de 15\15 minutos para nem sequer olhar para a tabela, "porque o Sr. Enfermeiro não está aqui para dormir! Se houver alguma coisa ligue para o quarto do médico?"). Colega valorize tudo o que apreendeu como enfermeira, e quando for médica não compactue com esquemas egoístas com as chefias intermédias, e não ameace gratuitamente a classe de enfermagem por influencia de terceiros.
      Já todos cruzamos com médicos arrogantes, que até em momentos cruciais ficaram agarrados ao processo do doente enquanto precisávamos de um par de mãos para massagem cardíaca... Mas também já houve alguns, que em momentos de pandemónio até a arrastadeira a um utente colocaram...
      Apenas lamento a perda de reconhecimento que temos dentro do núcleo de enfermagem, algo que os médicos aproveitam tão bem... "Para quê dizer mal deles se eles se abocanham uns aos outros". Afinal tanta luta, quer nas ruas quer na exigência de uma representação parlamentar, para continuarmos a denegrirmo-nos diariamente...
      Desiludida ≠ Frustrada.

      Eliminar
    2. Se prescrevem avaliação de sinais vitais de 15 em 15 minutos então devem ser "acordados" de 15 em 15 minutos para saberem os resultados

      Eliminar
  6. Escrevo isto como estudante de medicina, com elevado respeito por todas as profissões que existem, para perceberem que pelo menos nem todos os casos são como o do artigo acima exposto. Durante as minhas aulas, já estive com dezenas de médicos e nunca, repito nunca, me foi apresentado qualquer comentario depreciativo ou de qualquer outra forma que denigra os enfermeiros. Muito pelo contrário, tenho inúmeros professores que fazem questão de frequentemente nos ensinar/alertar que os enfermareiros são trabalhadores que fazem um trabalho essencial e importante, e como tal devem ser alvos de enorme respeito como qualquer outra pessoa. Como tal, não partilho da mesma opinião da existência de "lavagem cerebral". A nível de colegas estudantes, posso dizer que há de tudo. Há aqueles que tem a mania que são os maiores (acreditem, são minoria) e que acham que os outros estão abaixo. A maior parte, onde me incluo, respeita os enfermeiros da mesma forma que todos os outros.
    Não vou falar de atitudes estudantes de enfermagem (podia pois conheço bastante bem muitos) mas posso confirmar que existe de tudo igualmente

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. tens toda a razão.. é bom que seja uma minoria. Grande comentário, é importante ter esta percepção, obrigado

      Eliminar
    2. Aqui está um médico que sabe o que diz e que concerteza é um ser humano inteligente. Mas repito: médicos portugueses licenciados no estrangeiro é RUA com eles e ponto final.

      Eliminar
  7. Que chachada aqui vai..nunca li tanta demagogia ao mesmo tempo. Enfim, nao se esqueçam que os piores inimigos da enfermagem sao os enfermeiros. Principalmente as chefas(es) da Ulsam com pouquíssimas habilitaçoes literárias bajulam-se a si mesmos pensando que sao de outra estirpe, só porque os médicos lhes dirigem a palavra quando querem algo! Penoso ver...e saber...

    ResponderEliminar
  8. Também sou licenciado em Enfermagem e quase finalista de Medicina, e tenho a dizer uma coisa: nunca ouvi de parte dos docentes da faculdade ou mesmo tutores dos estágios clínicos uma palavra depreciativa sobre os Enfermeiros. Aliás, já ouvi alguns deles a dizer aos alunos de Medicina que o trabalho dos Enfermeiros também é importante para o sucesso terapêutico. Também de parte dos meus colegas estudantes de Medicina, o facto de ser Enfermeiro, na sua óptica , constitui uma vantagem num curso de Medicina, pois consideram que a formação e experiência já detida é um valioso contributo para o sucesso na frequência do curso de Medicina.
    Aliás, acho que são muitos mais os Enfermeiros a falarem mal dos médicos do que o contrário.

    ResponderEliminar
  9. Sou enfermeira e aluna de mestrado de uma Universidade Federal, concordo com o que um colega escreveu, que os maiores inimigos da enfermagem são eles mesmos... Somos nós que não passamos em medicina e vamos fazer enfermagem, somos nós que nos formamos em qualquer outra profissão e por não conseguimos emprego vamos fazer enfermagem, a enfermagem é como uma mãe que aceita todos de coração aberto, mas é uma mãe que também não aplica castigo nos seus filhos, ou seja, muitos terminam o curso de enfermagem INCAPACITADOS! SEM CONHECIMENTOS! e sabem como eles conseguem emprego? Porque conhecem alguém, que conhece alguém etc. E ai nossa profissão fica mal falada, por conta das loucuras que nossa ignorância comete e nossa vergonha não barra! Hoje 17/01/2014 faria qualquer coisa para fazer medicina! A culpa não é deles! Atenção enfermeiros, a culpa não é dos médicos! A culpa é toda nossa! Que não sabemos o que fazer, não sabemos como fazer, como a outra disse FAZ por FAZER, eu como enfermeira acho absurdo as coisas que escuto de alguns profissionais enfermeiros, imagine os médicos! Imagine os médicos, porque eles são médicos de DIREITO e de FATO, pelo menos a maioria! Eles lutaram para entrar nas faculdades! Eles lutaram para sair! E nós? Nós caímos de paraquedas! E vamos empurrando com a barriga! Eu faria de tudo para fazer medicina por que é uma profissão valorizada e uma profissão que valoriza seus próprios colegas! É uma profissão que aprofunda seus conhecimentos, que tenta ir na raiz da doença! E nós? Nós continuamos na superfície... E o ruim não é continuar na superfície, o ruim é que sua profissão ti barra para você aprofundar isso quando não levamos uma rasteira de nossos colegas! Hoje estou triste! Estou decepcionada! Mas podem ficar calmos, o resto de energia que me sobra é para andar com um sorriso nos lábios, um livro aberto e muita vontade de fazer a diferença... Desabafo de uma enfermeira que está tentando ser bem sucedida, mas é barrada por salários baixos, cargas horárias altas e vergonha de alguns colegas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. muito bom... concordo com varias questoes que levantaste... mas atenção os médicos não são reis e senhores do conhecimento e há enfermeiros que sabem muito

      Eliminar
    2. Bom, cá por portugal as coisas não são bem assim. Ainda se vai reconhecendo algum mérito pelo real valor de cada enfermeiro e a entrada nas escolas de enfermagem exige das mais altas notas do ensino secundário, quase ao nível da medicina.
      Aliás é aqui que começa o problema, em portugal enfermagem estuda-se em escolas de enfermagem e não em faculdades ou universidades.

      Eliminar
    3. Bom, cá por portugal as coisas não são bem assim. Ainda se vai reconhecendo algum mérito pelo real valor de cada enfermeiro e a entrada nas escolas de enfermagem exige das mais altas notas do ensino secundário, quase ao nível da medicina.
      Aliás é aqui que começa o problema, em portugal enfermagem estuda-se em escolas de enfermagem e não em faculdades ou universidades.

      Eliminar
    4. Bem, cá por portugal as coisas vão sendo um pouco diferentes e vamos conseguindo algum reconhecimento mediante o valor pessoal demonstrado embora apenas casuística e localmente.
      Quanto à entrada nas escolas de enfermagem, as notas de secundário necessárias são elevadíssimas, muito próximas do curso de medicina por exemplo. Mas aqui reside, em minha opinião, logo o primeiro problema da enfermagem. Enfermagem estuda-se em escolas de enfermagem e não em faculdades ou universidades... o estatuto académico final não é o mesmo.

      Eliminar
  10. Médicos portugueses licenciados no estrangeiro é RUA com eles. Foram tirar o cursinho no estrangeiro por serem burrinhos. Pois muito bem. Que fiquem por lá e não voltem mais. Mandem essa escumalhada para a Sibéria e para países com dificuldades e vão ver que essa gentinha toda que se diz apaixonada por salvarem vidas irão logo torcer o narizinho. Pois é. Essa gente è apaixonada pelo dinheirinho fresco. Atrasam-se para uma consulta e não gostam que o doente se atrase.

    ResponderEliminar
  11. Rapper denuncia corrupção das farmacêuticas
    Aqui está uma denuncia que dá que pensar. Afinal de contas andam a brincar connosco. Vale a pena dar a conhecer esta música onde o músico deixa a indústria farmacêutica em xeque:


    https://www.youtube.com/watch?v=YMQXv-QA_0Y

    ResponderEliminar