terça-feira, 3 de julho de 2012

Enfermagem bateu no fundo.


Agora penso que muitos de vós, entenderá o porquê do título e sub-título deste Blog. 
Não deve haver um enfermeiro que não sinta vergonha por tudo isto que se está a passar. Se já antes, as notícias de enfermeiros a trabalhar de graça e a tostões, nos deixavam estupefactos e revoltados, imagino agora, COM ENFERMEIROS NO SNS A RECEBER 4 EUR/HORA.
É uma vergonha para o país, é uma vergonha para a Ordem, é uma vergonha para os sindicatos, é uma vergonha para nós, enfermeiros. 
Isto bateu mesmo no fundo... custa-me fazer este tipo de comparações, mas profissionais de saúde licenciados a receber menos que uma empregada doméstica?!
Isto já não vai lá com petições, manifestações ou "grevinhas"! 
Colegas, acordem! É um insulto grave à classe, isto é greve a 100% por tempo indeterminado, para estourar! Este é o momento para enfermagem, de uma vez por todas, se unir e dizer BASTA! É agora, ou então esqueçam um futuro melhor. Por este caminho, para os que já têm anos de carreira, o futuro será pior. 
Lutem pelos que estão a chegar, lutem por vós!

20 comentários:

  1. Andou o Enf. Germano Couto feito menino bem comportado atrás do Sr. Ministro que lhe ia dizendo "os enfermeiros são o pilar do SNS", e ele (Germano) todo contente a dizer a tudo "sim, sr. ministro" pois bem aqui tem o Ministro "amigo" dos Enfermeiros. E não me venham dizer que o contabilista da Saúde não sabia disto pois isto passou-se na ARSLVT e não num distante distrito de Bragança ou Viana do Castelo!

    Mas tomem nota do que vos digo: o Enf. Germano Couto e os Sindicatos hão de reunir com o Ministério e até poderão conseguir voltar para os 6 Euros dos contratos anteriores. Nessa altura hão de vir Enf. Germano e Sindicatos dizer que foi uma grande vitória. TRETAS! Em vez de nos deixarem a morrer à fome (3.96Euros), deixam-nos a pão e água (6Euros). O problema disto é que Enfermeiros Germanos e sua côrte, bem como sindicatos andam mas é a olhar pela sua vidinha e futuras carreiras políticas.

    Neste momento só uma coisa é aceitável: a demissão de TODO o Ministério da Saúde. Infelizmente hoje na política não há vergonha pois por muito menos do que esta ofensiva e ofensa contra o SNS e os seus Profissionais houve no passado gente a demitir-se.

    ResponderEliminar
  2. Bom dia, Guilherme!
    Não tenho palavras para descrever, o quanto lástimo esta situação e muitas outras.
    Bem hajam!
    Abraço!
    L.F.P

    ResponderEliminar
  3. VOU EMBORA!TENHO UM CONTRATO NA VENEZUELA!SEMPRE É ,MELHOR QUE NADA!VOU INAUGUAR UM HOSPITAL EM CARACAS!CHAU!!!!!!!!!!

    ResponderEliminar
  4. Não sou enfermeira, mas tenho amigos e familiares que o são. E são pessoas competentes, dedicadas, trabalhadoras. Isto é revoltante, chega a dar náuseas... E os "senhores" responsáveis por isto nunca devem ter precisado de um enfermeiro... Caso contrário, saberiam reconhecer-lhes o enorme valor.

    ResponderEliminar
  5. Ninguém tenha dúvidas: o Governo pode até vir agora prometer mundos e fundos e dizer que quer salvar o SNS mas a VERDADE é que a política deste Governo e deste Ministério da Saúde tem uma agenda: DESTRUIR O SNS, empurrar a classe média para o Hospitais Privados (que andam a surgir feitos cogumelos e sedentos de "clientes" porque para eles não há doentes, há "clientes", é a lógica do comércio) e quem não tiver dinheiro terá um SNS delapidado onde das duas uma: ou vai para um Hospital em PPP (e veja-se o quão bem estes tratam os Enfermeiros) ou caso tenha uma patologia ou requeira um seguimento que fique despendioso e por isso pouco atractivo do ponto de vista lucrativo então irá para um Hospital Público sub-financiado. É CHEGADA A ALTURA DE DIZER BASTA E POR TRAVÃO A ESTA POLÍTICA DE DESMANTELAMENTO DO SNS, ESTE MINISTRO DIZ COM A BOCA QUE O QUER SALVAR MAS NA CABEÇA TEM A IDEIA DE O DESTRUIR E COM A MÃO ASSINA O CERTIFICADO DE ÓBITO DO SNS. BASTA!!!

    ResponderEliminar
  6. E ao que parece este concurso NÃO é para anular apenas vão fazer uma auditoria para ver se houve "irregularidades" na contratação.
    Agora digo eu: "a burocracia até pode bater toda certinha mas não deixa de ser IMORAL a total DESVALORIZAÇÃO do trabalho dos Enfermeiros"

    E Leal da Costa diz mesmo que não pondo em causa o valor é preciso ir ver porque preço estão outros Enfermeiros a ser contratados em outros hospitais nomeadamente no sector privado (e nós sabemos muito bem como esse está)

    E termina com 2 pérolas:

    - afirma que estas são situações de 2º e 3º emprego (por isso toca a calar que já mamam muito, não é Sr. Secretário de Estado?)

    - e que portanto é normal que o mercado de trabalho funcione da maneira como funcionou!

    Está tudo dito, o Ministro Paulo Macedo e todo o seu Ministério andaram todos estes meses a atirar areia para os olhos dos Enfermeiros.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que afirma vem numa entrevista no site da sic notícias

      http://sicnoticias.sapo.pt/economia/2012/07/04/secretario-de-estado-afirma-que-nao-foi-ministerio-da-saude-que-impos-valor-pago-a-enfermeiros

      Eliminar
  7. Concordo que isto é humilhante, mas penso que como classe que deveriamos ser temos que pensar na defesa de tachos e panelas antes de atacarmos seja quem for. Quem é que se cala há anos consecutivos com contratos precarios e com carreiras sem qualquer nexo que só interessam aos escovas. Quem defende que se tem que trabalhar como especialista, sem qualquer tipo de valorização economico/profissional.Estas atitudes continuadas por nossa parte só facilita a vida aos superiores ( pois é muito dificil justicar diferenciação do pessoal e solicitar contratos ou valorizações ) sem falar que muitos deles lhes interessa manter um certo tacho lá fora. Depois de pensarem nisto digam se a culpa é do SR Ministro ou das Administrações , pois eles têm enfermeiros licenciados noutras profissões e nunca lhes solicitaram que trabalhassem pelo mesmo dinheiro e com o mesmo contrato.Isto só tem a ver com os nossos superiores, sindicatos e ordem que tanto defendem a classe sem pensarem no mal que nos estão a fazer no futuro. QUEM VAI QUERER UM FILHO ENFERMEIRO, ESTES ARTISTAS (TAXISTAS ) NÃO!

    ResponderEliminar
  8. No hospital de Viana já se comenta que, futuramente, o responsável máximo dos dos enfermeiros, vai ser o actual patrão dos auxiliares. Também já nada me espanta. Consta-se que enfermeiros(as) concorreram a um concurso de auxiliares que está decorrer. Esta será mais uma forma encapotada de admitir enfermeiros? Sejamos realistas. No meio de tanta gente a concorrer, não vão seleccionar os enfermeiros? Se isto não acontecer que conclusões se podem tirar? Àh e depois vão os colocar num call center?! Não se espantem mas isto ainda só está a começar. Vamos andando e vendo.......

    ResponderEliminar
  9. Se sindicatos e ordens têm que ser chamadas a intervir....ministérios não ficam atrás...Muita basófia, muito alarido....o ultraje social....mas sejamos honestos uma vez em toda a nossa história de classe :) Eu com licenciatura concluída há dois anos e sem experiência na prestação de cuidados já fui de vela....Ainda nem comecei e já não tenho hipoteses de exercer a profissão porque findos dois anos sem oportunidades o meu tempo de espera terminou....Mas eu DOU-ME AO LUXO de não aceitar, nem comprometer a minha profissão por trabalho gratuito ou a custo de pêras de 2€ ou 3€....E esta factura paga-se caro na pele!!!E começo a opinar sobre a penalização de quem oferece enfermagem às empresas (estado ou privado)...
    Mas não deixo de me questionar porque é que eu tenho COLEGAS COM ANOS DE EXPERIÊNCIA E MUITAS DIFICULDADES PASSADAS que encabeçam muitos grupos de "recursos humanos" apresentando este tipo de valores e ainda se saem com a velha máxima:"ACEITA, ACEITA. NÃO ACEITA,HÁ QUEM QUEIRA." Enquanto não remendarmos os buracos na classe, não há festa e alarido que nos valha :(

    ResponderEliminar
  10. Desculpem, mas... qual é a novidade?
    Até onde é que viveram agora? Parecem as falsas virgens ofendidas.
    Deixem-se todos de hipocrisias.

    Se isto está a acontecer deve-se acima de tudo aos que já cá andam há algum tempo.
    Deve-se aqueles que durante anos se venderam por qualquer preço, destruindo o valor do trabalho dos enfermeiros, pondo em causa o futuro dos que acabavam o cursos e não conseguiam trabalho.
    Deve-se aqueles que trabalham no hospital público e aí, exigem tudo mais alguma coisa, a seguir vão para Hospitais Particulares a preço de saldo e trabalham em condições que nem falam com vergonha e MEDO. Agora estão em pânico com medo de perder tudo e a gritar "Acudam!... que estou a afogar-me na porcaria que fiz.".

    Quem nunca ouviu: "Quero lá saber. Aquele não é o meu emprego, eu só vou buscar lá mais uns tostões." Esquece-se que está a hipotecar o seu futuro... e o dos outros.

    Se no hospital público exigiam (e muito bem) condições para prestar cuidados aos doentes com segurança, nos Hospitais Privados trabalham sem condições algumas, inclusive com práticas ética e deontológicamente reprováveis, com a total ausência de condições de segurança e que põem em risco a vida do doente.
    Se os enfermeiros já há alguns anos aceitam estas condições no sector privado (e até se atropelam para obter o lugar), onde está a ética de exigir tratamento diferente no sector publico? Qual é o motivo do escândalo? Não será hipocrisia? Onde está a coerência?

    Desvalorização do trabalho dos enfermeiros? Mas... não fomos nós quem começou com isso?
    Não foram corridos dos estaleiros os que lá estavam, para ir para lá uma empresa com enfermeiros a ganhar muito menos? E esses enfermeiros foram obrigados a ir para lá ganhar menos do que os que lá estavam? Estavam a passar fome? Não tinham emprego?
    Já agora... Não há no SU um enfermeiro com uma clínica um pouco ao norte de Viana que se gaba de ter uma lista de não sei quantos a pedir para trabalhar e que só paga um valor aproximado dos €5 ou menos?!?!?!

    Já agora não se desculpem a vós mesmos com a lenga-lenga do costume: "A culpa é da Ordem e os Sindicatos que não fazem nada."
    E não me venham falar que é preciso fazer uma greve a sério. Só se for no sector privado, porque mais uma vez há muitos que fazem greves no sector publico e a seguir vão trabalhar para o privado.

    Enfim... SINAIS DOS TEMPOS!

    ResponderEliminar
  11. Isto é vergonhoso!!!
    Está a pedir é uma manifestação das grandes. Mas para isso é preciso que sejamos unidos e que as pessoas se mentalizem que mais um faz a diferença e que deixem de ficar à espera que os outros lutem pelos seus direitos. Mas afinal que cidadãos somos?? somos uns paus mandados que aceitamos tudo sem lutar para ter aquilo a que temos direito e nos estão a tirar??
    Está na altura de fazer alguma coisa!! e nada melhor que os blogs e redes sociais para nos unirmos e organizar momentos de reivindicação.

    ResponderEliminar
  12. Caro Guilherme,
    Desde o inicio que penso sobre o titulo deste blog. A sempre pensei que a ordem estava invertida. O titulo que mais se adequa à classe e que vai de encontro á sua postura perante tudo seria: "Porque é que NÃO deixei de ser enfermeiro?".

    Se eu, tu e todos nós respondermos a esta questão encontraremos a resposta ao porque é que os enfermeiros aceitam serem pagos desta forma com a maior das condescendências.
    É no "porque é que, apesar de tudo o que sofro, NÃO deixei se ser enfermeiro", que radicam os nossos problemas.

    Porque é que: mesmo quando havia clara falta de enfermeiros (há cerca de 20 anos)e era possível impor a nossa vontade, a nossa postura era já esta?
    Porque é que: mesmo quando conseguíamos fazer valer a nossa presença e bloquear as coisas, já tínhamos esta postura (em 1996, já havia colegas que iam trabalhar para Fão a 900$00 (Cerca de €4,50), quando já se ganhava muito mais no SNS ou em qualquer hospital privado?
    Porque é que: estou disposto a dar cabo do trabalho de um colega, para ir ganhar menos do que ele no seu lugar?
    O que têm os enfermeiros, para acharem que o seu trabalho não deve ser bem pago?
    Será que faz parte do nosso ADN profissional sermos assim?


    Enfim, deveriamos reflectir sobre nós mesmos, as nossas posturas como classe, como aqui chegamos, como daqui poderemos sair. Deveriamos reflectir sobre nós, sem colocarmos as culpas nos outros (Ordem e Sindicatos).
    Mas não temos tempo para tal, porque andamos a correr, correr, correr como as formiguinhas. Tal como elas(formigas obreiras), trabalhamos, trabalhamos, esgravatamos a terra, criamos carreiros, limpamos os detritos, cuidados da prole, cuidamos das suas vidas, mas... ainda não conseguimos tocar as suas vidas. Muito menos marcar-las.

    Apesar de tudo, resta-nos o Guilherme para desabafar.
    Bem Haja.
    Um grande e forte abraço.

    ResponderEliminar
  13. Como diz colega...talvez uma greve dos serviços onde não sejam exigidos os cuidados mínimos (BO, consulta externa, centros de saúde)...pois só aí iríamos ter um bom impacto. ..O mal disto tudo é que não temos uma boa Ordem nem Sindicato que defenda os nossos interesses...apenas e só os interesses deles...!!

    ResponderEliminar
  14. MEus amigos, é como por aqui se disse, a luta começa pelas redes socias e blogs! Vejam o exemplo da revolução no médio oriente, Tunisia Egito, etc. Difundam estas mensagens! Usem Facebook!
    Com meia duzia a gritar às portas do MS não vamos lá... como já se viu ha 1 e 2 anos atrás...só com milhares e mais vos digo... manifestaçoes pacificas não funciona... continuará igual. So vao começar a dar-nos atenção quando se começar a partir qualquer coisa.. infelizmente é assim, sou anti-violencia, mas já temos enumeras provas que com tarjas e megafones não vamos lá, não tenham duvidas.. e depois é greve mesmo para paralizar serviços, não é para se andar a brincar as greves, mais vale uma paralização em termos, de fazer tremer o SNS, em que todos estão para o mesmo lado e dispostos a perder tempo e dinheiro, do que andar a fazer greves intermitentes e inconsequentes, como se tem visto.
    Acordem e lutem... mas uma coisa vos digo, tenho muitas duvidas que isto aconteça... que me desculpem as senhoras, mas somos uma classe maioritariamente feminina.. se as coisas apertarem não estou a ver as enfermeiras a dar o peito às balas.. e o mesmo se aplica a muitos enfermeirinhos

    ROBIN DOS HOSPITAIS

    ResponderEliminar
  15. No Médio Oriente não se está a fazer revoluções ... as revoluções fazem-se pelos seus povos, não por povos exteriores, caso da Libia e do Iraque, que ainda ficaram pior do que estavam antes, onde proliferam grupos armados que fazem genocídios sistemáticos .... eu não alinho nessa farsa!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderEliminar
  16. Boa noite a todos. Sou licenciado em enfermagem há dois anos. Na realidade sinto-me ofendido, pois sou um dos candidatos ao concurso de auxiliares a decorrer no hospital de viana. Pergunto; cometi algum pecado? Eu que já trabalhei no Luxemburgo nas limpezas, onde ganhei bem mais de 4€ à hora, mas motivos familiares falaram mais alto e regressei. Mas dúvido que seja seleccionado. Hoje fui à entrevista mas vim de lá espantado. Ou muito me engano ou antes do concurso já estavam seleccionados(as).......

    ResponderEliminar
  17. Uma pouca vergonha foi ouvir o Enf. Alexandre Tomás da Secção Sul da Ordem na TVI24 (a reportagem esta no site da Secção Sul da OE) a dizer que é preciso ajustar o valor preço/hora INDEPENDENTEMENTE da forma de contratação. Isto é temos uma Ordem que não se importa com a PRECARIEDADE dos vínculos laborais dos seus associados.

    E mais uma vez quando um Colega aborda a questão do excesso de oferta formativa, a Ordem lava as mãos e empurra para outros (Governo). Claramente temos uma Ordem pouco interessada em resolver este problema e para mim a sugestão do Bastonário, Enf.Germano Couto, de reduzir em 10% as vagas nos Cursos de Enfermagem, não passa disso mesmo, de uma sugestão. É mais uma daquelas coisas que se diz, se lança para o ar sabendo-se muito bem que não é para aplicar.
    Enfim, vergonhoso!

    ResponderEliminar
  18. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar