terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Guerra entre aliados



O ambiente da nossa equipa está a deteriorar-se. Tal como se previa num anterior post, a equipa está mesmo a ruir. Já não se nota o espírito de entreajuda, que nos caracterizava, agora é mais o espírito de "cada um que se amanhe".
Em OBS, com o serviço continuamente carregado, com doentes ventilados a olho, cada um se defende com as armas que tem, do ataque do invasor. O invasor é a urgência geral, por sua vez bombardeada ininterruptamente por doenças ou pseudo-doenças. E aqui também, igualmente com as armas e estratégia militar de cada um, procura-se aliviar o campo de batalha, escoando os feridos o mais rapidamente possível, levando ao aperto do hospital de campanha (OBS). É isso mesmo meus amigos, estamos em guerra! Soldados e cabos já começaram a disparar e a guerra promete durar. Que se emita um tratado de paz, tratado este que partirá da boa vontade dos tenentes e generais. Será que estes se entendem? Vamos esperar que sim... caso contrário haverão baixas evitáveis no campo de batalha. Esta das baixas saiu-me bem... estou a ficar perito em trocadilhos

9 comentários:

  1. Esse ambiente tal como disseste era de esperar.
    A culpa é de quem tomou a iniciativa de dividir para satisfazer outros interesses e para reinar.

    O Povo diz, "unir para vencer"
    As chefias dizem " Dividir para reinar"

    O Bom senso (António Variações), diz. "Quando a cabeça não tem juizo, o corpo é que paga"

    É pena que uma equipa coesa e com provas dadas esteja nesse caminho da auto-destruição!

    ResponderEliminar
  2. A solução é simples! Acabem com uma das chefias de Enfermagem. Num mesmo serviço não podem haver dois chefes. NÃO PODE HAVER separação entre Urgência Geral e OBS. Quem criou essa situação foi actual Directora, cabe pois a ela a sua resolução. É claro que já lá vai o tempo em que a Enfermeira Directora defendia os seus enfermeiros, agora desde que o cargo passou a ser por nomeação do Conselho Administrativo, a mesma apenas serve para impor as decisões de quem a nomeou, sob pena de perder o "TACHO".

    BLACK.

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  4. Anónimo disse...
    Concordo em parte, mas a culpa é da (removido pelo administrador), senão reparem nos horários que ela anda a fazer. Está minimamente preocupada connosco, embora aparente fazê-lo. A actual directora (propositadamente com letra pequena)nada sabe da matéria e fez apenas o que lhe sugeriram. Mas isto não é nada, o pior está para vir. A nossa chefe usa a política de tirar a sardinha com a mão do gato, desde que seja para o interesse dela. Quem sugeriu à anterior directora o actual horário? Quem contiua a insistir e a promover a separação? Com amigas destas já conhecemos os nossos inimigo.
    Blog

    ResponderEliminar
  5. Não quererás dizer "Não está minimamente" ?!. O horario de facto tem sido vergonhoso. Questiono porque não são admitidos enfermeiros para OBS? Será responsabilidade da chefe? Sinceramente não me parece, sem querer estar a ser o seu advogado.

    ResponderEliminar
  6. Ok Guilherme,se calhar excedime-me no entre parentesis. Mas a chefe de OBS, não foi já enfermeira directora? O que fez pelo SU, nessa época? Postas de pescada na passagem de turno é q. b.
    Blog

    ResponderEliminar
  7. Está bonito...está !!...
    GIRISSIMO.

    ResponderEliminar
  8. Engraçado! E eu achar que o meu caso era único e inédito... A minha Directora convenceu-me disso. Afinal ando mal informada e navego pouco na net... Pois, caros colegas eu sou chefe de uma OBS. Há poucos anos. Até cheguei a pensar que o caso era o meu!( que arrogância da minha parte parte)... Quero dizer-vos, não se desgastem em "guerras" têm muito mais com que se desgastar...A divisão de serviço e chefes é uma falsa questão. Se é assim que está agora, paciência, continuem a ser bons como foram até aqui. Nada na vida é eterno e definitivo... Devem continuar a lutar, mas não se destruam, pois a reconstrução será mais difícil. E não se esqueçam, que serão vocês os principais actores. Para quê destruir se depois têm que remendar, uma vez que se não pode fechar a porta para fazer de novo! Parece-me, dado que não conheço o vosso contexto.
    Nascemos para sermos felizes e temos a obrigação de o ser.Todos temos uma cota parte de responsabilidade em contribuir para o bom ambiente de trabalho; este não tem e não deve ser penoso. Que tal uma conversa com os vossos chefes?

    ResponderEliminar
  9. é uma honra receber aqui neste post uma enf chefe de um OBS. e é sem duvida um bom conselho que nos das. talveZ fosse inevitavel a divisao da urg geral e OBS, mas que ainda nao vi as vantagens disso, ai isso nao vi.. so vejo uma grande desvantagem - a perda de rotatividade e polivalencia do enfermeiro. CClaro que tb entendo quem defenda a divisao, mas q o ambiente ja nao é o mesmo, ai isso nao! Antigamente sabiase quem eram os colegas em serviço, agora cada um sabe da sua equipa e mal. E depois tocaste no ponto fraco.. a conversa entre chefes nao é possivel, pois conversa entre quem se odeia nao é facil. Existe conversa, mas nao é construtiva pelo menos para a equipa

    ResponderEliminar