quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Enfermeiros, o que é que dizem os vossos olhos?


Depois de mais de 25000 visitas ao post anterior, com a entrevista no Alta Definição de Daniel Oliveira ;) achei que deveria dar continuidade a esta ideia, que pelos vistos, para minha alegria, pegou.
Fica uma compilação dos "gostos" e "não gostos" de todos os colegas que aderiram. 
Ahhh! E hoje surgiu-me uma e acho que muita gente se vai identificar:


"Gosto muito de trabalhar quando joga o Benfica. Por duas razões: evito o sofrimento de ver o jogo e o serviço naquelas duas horas fica muito mais calmo, pois só lá estão os verdadeiros doentes."



Lembrem-se que tudo isto se trata de gostos e gostos não se criticam, quanto muito, comentam-se.



Então aqui vai:




Não gosto de depois de 3 dias seguidos com 17hr de trabalho em cada, fazer o meu melhor com os recursos que tenho e ainda ouvir:"não sei porque se queixam (os enfermeiros) afinal sou eu (com os meus descontos) que vos pago o chorudo ordenado"

Gosto da diferença que gestos simples, como OUVIR, fazem toda a diferença.

Não gosto de estar ausente em datas especiais.

Gosto de sentir, mesmo que de quando em vez, que vale a pena.

Não gosto de correr contra o relógio, e ainda assim sentir que muito ficou por fazer.
Gosto de sentir que, mesmo que não o consiga com todos, marquei diferença na vida de alguém.

Não gosto de querer estar com família e amigos, e não conseguir por horários constantemente contrários.

Gosto de GOSTAR DO QUE FAÇO... mas NÃO GOSTO NADA de sentir o que me vai na alma e que pode deitar por terra a vontade de ser ENFERMEIRA... e sim, não me pagam para ser Enfermeira...

Eu gosto de pessoas que fazem o seu trabalho de acordo com as suas competências. 


Não gosto de pessoas que criticam os outros mas não fazem uma reflexão profunda sobre o seu Eu... é mais fácil ter uma palavra negativa sobre os outros que uma positiva...

Não gosto de ver desperdiçar tempo e ouvir dizer "não tive tempo"

Gosto de sentir que dei tudo de mim nas situações mais complexas.

Não gosto de "empatas" e irresolutos nas tomadas difíceis de decisão.

Gosto das palavras "Bom dia" , "Como estão as coisas?", " Precisas de ajuda?" e "Obrigado"

Não gosto que me ignorem , fingindo que não me estão a ver e se esqueçam das minhas funções.

Não gosto quando enfermeiros, médicos e assistentes operacionais querem ou se vêm obrigados, ou obrigam a substituir-se em funções para as quais não estão qualificados nem mandatados.

Não gosto de arrogâncias nem manias de superioridade seja de quem for.

Não gosto de ouvir "eu é que tenho de andar a fazer o seu trabalho" especialmente dito na frente de utentes.

Gosto de entrar e sair nas horas estipuladas pelas escalas.

Não gosto de ver "fugas" ao serviço, incumprimento de escalas nem turnos continuados na impossibilidade de substituição de alguém por carência de recursos.

Não gosto quando tratam o doente por "oh meu amor" ou "oh meu anjo", ou quando dizem "vá-se queixar a...", "não há pessoal", "não há roupa", "cale-se, para fazer o filho não gritou assim" e detesto quando pura e simplesmente ouvem o doente a chamar e pura e simplesmente fingem não ouvir, viram as costas e ignoram.

Não gosto dos calaceiros que passam a vida a queixar-se quando está nas mãos deles parte da resolução dos problemas.

Não gosto de hierarquias prepotentes nem de compadrios oportunistas.

Gosto de respeitar as hierarquias quando se dão ao respeito.

Não gosto de pessoas que dizem coisas antagónicas em diferentes contextos, quer dizer não gosto de pessoas mentirosas.

Gosto de gerir conflitos retirando deles o melhor para a dignidade do relacionamento e para humanização das práticas.

Não gosto de ver o incumprimento das regras básicas de triagem de resíduos.

Não gosto quando as pessoas falam alto, excepto quando para alguém que ouve mal.

Não gosto de dar más notícias.

Gosto de receber elogios relacionados com a minha comunicação, desempenho, apresentação e organização.

Não gosto quando trocam uma fralda cheia de urina e não lavam a área detesto ver pessoas com fralda só por comodismo funcional porque não há pessoal suficiente para um atendimento humanizado. Detesto ouvir dizer "faça na fralda" a pessoas capazes de utilizar um urinol ou arrastadeira se lha chegassem.

Não gosto de "favores" porque as coisas devem funcionar dentro das competências profissionais num ambiente e espírito de partilha e colaboração profissional.

Não gosto que as chefias sejam as principais culpadas dos principais problemas que se vão passando nos serviços,

Não gosto de pensar que, além das chefias, pessoas que acham também que mandam no serviço vão causando conflitos com disses que disses e vão hostilizando os demais elementos da equipa, como bullying se tratasse. 

Não gosto que a televisão, e em especialmente numa determinada telenovela em horário nobre, dá a imagem de enfermeiros fornicadores com médicos/ enfermeiros maus como às cobras, prontos a lixar o próximo, devido ás suas frustrações, quiçá;

Não gosto de saber que colegas licenciados em enfermagem, mas nunca enfermeiros porque ainda não tiveram a oportunidade de o serem estejam a pagar 10 euros de cotas mensais;

Não gosto, não... detesto pensar que eles têm apenas oportunidades fora do país... e quando as têm, têm a certeza que Portugal é um destino de férias;

Não gosto que ostracizem colegas, que tal como eu, já não querem ser mais enfermeiros, como se de Judas nos tratássemos; 

Não gosto que ainda haja a mentalidade tacanha popular do que o enfermeiro não passa de um mero empregado do médico.

Não gosto do "ai não gostas das condições que te damos? Olha que há gente que não se importava nada de estar no teu lugar!"

Não gosto de ter noção que passámos quatro anos num curso com cadeiras "da treta" em vez de adquirir bases bem mais consolidadas em cadeiras bem mais importantes.

Gosto de um sorriso sincero como gratificação de alguém a quem disse “em que posso ajudar?” “Bom dia, sou o seu enfermeiro durante as próximas 8 horas, disponha…”; “A sua filha ligou e mandou-lhe um beijinho”; …

Gosto mais de fazer, mais do que mandar fazer;


Não gosto do egoísmo e do facilitismo;


Não gosto de pó, manchas e lixos nos cantos e brechas;


Gosto do material arrumado;

Gosto de falar baixo e ser ouvido e que me falem baixo.


Gosto de perceber o porquê de tomadas de decisão.


Não gosto de quem fala muito, mas não faz nada;


Não gosto da área da psiquiatria


Não gosto de horas extraordinárias programadas!


Gosto de quem ensina dando um bom exemplo


Não gosto de vassalagem;


Não gosto de errar, mas erro…


Gosto de uma morte tranquila;

Não gosto da dor, do pânico e da solidão;


Gosto da firmeza das decisões;


Não gosto da indiferença à pessoa (doente/família/colaborador)


Não gosto de por “bolinhas” em centenas de intervenções;


Não gosto de leite branco e achocolatado nas ceias, e do pão duro;

Gosto de pessoas que compreendem os momentos de maior fragilidade de quem está doente.


Não gosto de ver "cegueira" no cumprimento de procedimentos.


Gosto de pessoas que tomam os procedimentos como meios para atingir os objectivos e não como fins em si mesmo.

Gosto de pessoas que cumprem integralmente as suas funções mesmo nos locais mais ermos onde sabem que ninguém os está a ver.


Não gosto de pessoas bem comportadinhas só porque estão próximos do Big Brother.


Gosto de pessoas que se consideram em aprendizagem permanente.


Não gosto de pessoas que acham que sabem tudo e não têm nada para aprender.

Não gosto de pessoas que me atiram "cascas de banana" usando "má-fé"

Não gosto da cobardia daqueles que receiam confrontar as autoridades institucionais com os verdadeiros factos.


Não gosto de enfermeiros arrogantes que se servem da razão da força sem saber usar a força da razão.



O que é que dizem os teus olhos?

Dizem que estou momentaneamente infeliz pela forma como somos tratados pelo poder mas ainda tenho a esperança de ver dias melhores.

O que dizem os teus olhos?

Pessimismo...

A lista está aberta... quem quiser é só continuar

41 comentários:

  1. achei um texto super interessante e que reflete em grande p
    arte a nossa realidade atual!!!!!!!!!!!!a enfermagem devia ser vista com outros olhos e não so pelo canto do olho com se de uma profissão secundaria se tratasse!!!!!!!!!!!!!!!tenho pena que os recém-licenciados tenham que ir para fora para exercer a sua profissão....o que dizem os meus olhos?dizem que me sinto muito feliz quando alguém me faz sentir importante com o desempenho do meu trabalho....

    ResponderEliminar
  2. Não gosto de enf. chefes que em dia de greve estão em gozo de compensação de horas.

    ResponderEliminar
  3. Gosto de ser enfermeira! Apesar de o meu país estar em baixo, tenho esperança, só posso pensar que vai melhorar!






    ResponderEliminar
  4. Excelente!
    Parabéns!
    Grande caráter!

    Abraço;
    LFP

    ResponderEliminar
  5. Não gosto, aliás, odeio, quando se referem a doentes a doentes, por "cama x, ou y". Não se sabe o nome do utente? E será que custa muito, pelo menos, dizer o(a) senhor(a) da cama x?

    ResponderEliminar
  6. Estou cansada de ser enfermeira....e não ver nenhuma outra saída.

    ResponderEliminar
  7. O melhor de tds foi : "Não gosto de ter noção que passámos quatro anos num curso com cadeiras "da treta" em vez de adquirir bases bem mais consolidadas em cadeiras bem mais importantes."
    Podes crer! Ficam la nas "transiçoes" e esquecem q se nao houver gestao eficiente de sinais e sintomas nao sobra nenhuma transição p o Enfo tratar,Embora pense q esse Teoria é uma fantuchada.
    E a CIPE?Outra treta, cm disse o colega.Nao especifica nada o diagnostico nem encaminha o raciocínio crítico e clínico para um planeamento e implementação factíveis.Viva a NANDA.
    Emillia Santos, Enfa Esp Clinica medica e cirurgica.

    ResponderEliminar
  8. Porque deixei de ser assistente operacional...

    -Pq sou aquele que trabalha 40h semanais, por turnos, que prescinde da vida familiar e social e o que ganha ao fim do mês não chega para sobreviver.
    -Pq sou aquele que apesar de ter um dos trabalhos mais stressantes do mundo: lidar com a dor, com o stress, em que todos são superiores herarquicos (cada um com a sua propria personalidade), com pesos, com pressão, com o relógio biológico desregulado, com o cansaço crónico dos 2 empregos constantes para sobreviver, não tem qualquer tipo de reconhecimento.
    - Pq sou a mão-de-obra barata, o criado do médico e enfermeiro, ainda vivemos em época de serventilismo silencioso, em que somos recordados que somos inferiores porque não temos licenciatura, quando a realidade é que muitos de nós começaram a trabalhar e a contribuir para a economia por não terem outra solução. (ex.são os Assistentes Operacionais fazem a cama do Sr. Dr. para ele descansar durante o seu banco)
    -Pq a minha "classe" não se centra nos seus problemas: na sua dificuldade em sobreviver, no irreconhecimento e dificuldades do seu trabalho diário em organizar os serviços, a apoiar a equipa multidisciplinar e os doentes, no apoio na prestação de cuidados, na higiene, alimentação, transporte dos doentes, no seu esforço diário para assegurar o bom funcionamento dos serviços, muitas vezes com recursos humanos insuficientes e com comportamentos negativos e derrotistas vindos de patentes superiores.
    -Pq a minha "classe" opta por comportamentos mesquinhos de denegrir/prejudicar o próximo ao invés de lutar pela resolução e melhoria do seu presente/futuro. Falta a visão NÓS (a equipa multidisciplinar em prol do doente) em vez do EU.
    -Pq a minha "classe", em grande percentagem, é autodidacta num sistema/ambiente extremamente complexo, essa falta de "especialização" serve
    para manter as condições salariais minimas, apesar de ser uma profissão de desgaste rápido, com tendências depressivas.
    -Pq não há qualquer evolução social, intelectual ou económica por dedicar a minha vida a um sistema, que cada vez mais está a ficar desumanizado, focado no lucro, com profissionais sem empatia pelo sofrimento do outro.
    -Pq os melhores momentos da minha vida poderiam ter sido aqueles em que estaria com a minha familia, com rotinas, a reforçar os nossos laços, ao invés disso, estive ausente, a dar os meus melhores momentos aos outros, no entanto, sem ganhar algo que pudesse melhorar a qualidade de vida da minha familia.
    -Pq somos invisiveis para a sociedade, para a comunicação social, apesar dos hospitais não funcionarem sem nós e sem todos os restantes profissionais igualmente invisiveis.
    -Pq não aguento mais destruir a minha saúde a fazer noites, viver em jet-lag constante e não ser devidamente recompensado por perder saúde dia após dia.
    -Pq gostava de sentir a cultura da saúde como algo positivo para o cidadão, onde realmente estivesse protegido, mas infelizmente em muitos casos não é assim, para nenhum de nós- doentes e profissionais com relação mais directa.

    ResponderEliminar
  9. Gostei muito do texto, bela forma de expressão o que é a profissão de Enfermagem, é o saber olhar para o outro e colocarmo-nos no lugar do outro, que é tantas vezes esquecido, para ser enfermeiro não basta ter competências tem que se ser HUMANO, aliás estamos a cuidar de PESSOAS! Não se esqueçam que na cama onde aquele Srº ou Sraº poderia estar um dos nossos e também gostaríamos que os tratassem com humanidade e não como apenas mais uma pessoa!

    ResponderEliminar
  10. Ser enfermeiro é sinonimo só por si só de esperança, ser enfermeiro é ter um dom, tentando todos os dias salvando sem olhar para a cor, idade ou raça, ser enfermeiro é ter amor verdadeiro paixão pela vida mesmo quando, existe imensa dor.
    Mas para mim ser enfermeiro é símbolo de união mas acima de tudo de bravura constante de verdadeiros soldados sem espada que todos os dias vivem para combater nas urgências de norte a sul.
    Mesmo estando atravessar portugal momentos complicados seria a mesma coisa a sua ausencia ?
    Seria muito pior sem duvida alguma, ser enfermeiro é uma dádiva em muitos casos uma familia e para outros tantos casos a unica esperança de viver para quem já nem um lugar tem para morrer.
    O mais engraçado é que nem enfermeiro, mas a muito sei o que é um verdadeiro Dom

    (a.a.r.rodrigues)

    ResponderEliminar
  11. Cansada de esperar por uma mudança para melhor...

    ResponderEliminar
  12. Não sei se a Enfermagem é a minha vida ou se a minha vida é a Enfermagem.

    ResponderEliminar
  13. Gostei muito do texto... Para além do conteúdo deste texto, não gosto de precários contratos; não gosto de ser emigrante. O que os meus olhos dizem: tristeza por ter de deixar para trás todos e tudo o que construi para trás e recomeçar aos 40 anos num país que não é o meu... apesar de agora conseguir crescer como pessoa e profissional.
    Maria Soares

    ResponderEliminar
  14. Gostei muito do texto... Para além do conteúdo deste texto, não gosto de precários contratos; não gosto de ser emigrante. O que os meus olhos dizem: tristeza por ter de deixar para trás todos e tudo o que construi para trás e recomeçar aos 40 anos num país que não é o meu... apesar de agora conseguir crescer como pessoa e profissional.
    Maria Soares

    ResponderEliminar
  15. Eu gosto da Saúde Mental e Psiquiatria.

    ResponderEliminar
  16. Eu gosto de Saúde Mental e Psiquiatria

    ResponderEliminar
  17. Como compreendo o colega , e quem chega a este ponto de desbafo/compreensão , talvez também tenha chegado ao ponto de exaustão de Bornout, mas a maioria não o assume, os chefes não compreendem, os diretores ignoram ou classificam de incompetentes. Profissionais que já fizeram muito e são muito, talvez por isso não aguentem mais o pouco ou nada que se faz para que o sistema resulte(não apenas para as estatísticas ou para as certificações). Exaustão, tristeza, falta de esperança de quem já muitos sorrisos distribuiu em dias difíceis, esperanças semeou, cansanço já dissimulou. Só posso deixar o meu grito de compreensão, será que alguém vai ouvir...?

    ResponderEliminar
  18. Gosto de pensar que um dia, quando eu estiver no papel inverso, vou ser tratada da maneira que trato os meus doentes! :)

    ResponderEliminar
  19. Gosto da atividade que tenho como assistente operacional....
    Tento cumprir todos os procedimentos de forma correta, gosto que me ensinem( mas quando ensinam com profissionalismo), quero sempre aprender mais!!!
    Adoro o meu sorriso para os doentes...só espero que nunca me roubem este meu sorriso.
    Tentarei ser forte!!!
    E esta sou eu...Paula Moreira

    ResponderEliminar
  20. "Não gosto, não... detesto pensar que eles têm apenas oportunidades fora do país... e quando as têm, têm a certeza que Portugal é um destino de férias." Não gosto de ser mais uma das que apenas tem oportunidade fora do país. E não gosto de saber que, desde o momento que entrei para o curso, juntamente com tantos outro, fomos sempre "empurrados" para esta oportunidade. A esperança de vir um dia a trabalhar em Portugal, tornou-se na esperança de "Espero que daqui a uns meses consiga embarcar naquele avião".

    (Aluna Finalista)

    ResponderEliminar
  21. É pena não haver uma única referência aos auxiliares que em tanto (quase tudo) ajudam os enfermeiros.

    ResponderEliminar
  22. Não gosto de ter sido obrigada a entregar a cédula a região do norte porque fui uma daquelas enfermeiras que passou um ano desempregada e encontrou emprego em londres, Portugal para mim é só destino de férias mas mesmo assim depois de ter dado mais de 200€ aos chulos da ordem indevidamente porque não estava a trabalhar e mesmo depois de ter entregue e congelado a cédula continuam a mandar me cotas todos os meses para pagar.
    Não gosto de ter encontrado emprego noutro país depois de esperar 15 meses no meu país e 13 meses depois de estar a trabalhar cá em londres já fui promovida


    Não gosto que se queixem do curso de enfermagem em Portugal
    Porque vendo todas as outras nacionalidades a trabalhar vejo que somos mesmo do melhor que há

    Não gosto de ter deixado tudo

    Adoro a minha vida
    Adoro as minhas condições de trabalho
    Amo o meu ordenado, mesmo sendo muito baixo comparado as outras licenciaturas
    Amo o suporte que os meus chefes me dão
    Amo todas as horas extras pagas
    Adoro o facto de não ter de fazer greve
    Adoro o uniforme azul apesar de ter saudades do branco
    Adoro o meu país... mas odeio a maneira como ele me mandou embora.

    Sramliberdadenegra.com

    Enfermeira a 13 meses numa Acute Medical Unit dum hospital do Sul de londres
    Aguardado completar os dias que faltam para ser promovida a Enfermeira de Learning and development de outros Enfermeiros além fronteiras
    2 Cargos criados pelo hospital devido às centenas de enfermeiros que estão a chegar todos os meses de pt Espanha e italia

    ResponderEliminar
  23. Não gosto de colegas arrogantes que agora andam muito simpáticos a fazer campanha para a ordem.

    ResponderEliminar
  24. Gosto de sentir q cuido ajudo alguém a sentir-se menos doente,cada dia.

    ResponderEliminar
  25. Adoro poder apegar.me e não gosto qdo m abandonam...mesmo estando lá para ajudar alguém na próxima viagem.........fico sempre com buracos no coração. ...a cada mãozinha q agarro do lado d cá (com as minhas duas mãos, de alma e coração) despeço.m sempre com a mesma dor...apesar do meu sorriso garantido. ...

    depois choro para lavar a alma e procuram.m ... de novo m entrego. ... num ciclo q não tem fim. ... até chegar um dia....

    adoro ser enfermeira. ..às vezes odeio....

    em oncologia, geriatria e paliativos de longa duração há 14 anos.... não mata mas cansa e dói cada despedida....

    nem discuto mais nada. ...cá estarei

    ResponderEliminar
  26. E TAMBEM GOSTO DO SABOR QUE FICA QUANDO SABEMOS QUE FIZEMOS A DIFERENÇA...

    ResponderEliminar
  27. Gosto do texto.
    Gosto de enfermeiros inteligentes
    Gosto de enfermeiros que sabem dizer aos outros quais são as suas competências

    ResponderEliminar
  28. Gosto de ser Enfermeira! Gosto do olhar e do sorriso dos meus utentes quando me vêm! Gosto de saber, que mesmo por muito pouquinho, que seja, posso mudar a vida de alguém! Gosto dos beijinhos e abraços dos meus utentes! Os meus olhos dizem "obrigada por ser enfermeira, obrigada aos meus pais, avós, que me ajudaram imenso, obrigada por todos os sorrisos que consigo fazer brotar na cara dos meus utentes!" <3

    ResponderEliminar
  29. Gostava de deixar de ser enfermeira. cada vez exigem mais de nós e cada vez somos menos valorizados! Os meus olhos dizem tristeza e desmotivação.

    ResponderEliminar
  30. Muito bom, falta agora a versão dos cuidados de saúde primários

    ResponderEliminar
  31. Não gosto de enfermeiros a falar mal de enfermeiros...

    ResponderEliminar
  32. Enquanto virmos a enfermagem como uma arte e um dom daremos azo a que nos continuem a explorar vergonhosamente! Para ser enfermeiro é preciso estudar e trabalhar...são nos exigidas competências técnicas como noutras profissões mas continuam as desvalorizar-nos diariamente. É preciso virem os ingleses para reconhecerem o enorme valor e qualidade dos enfermeiros formados em Portugal!!!
    Portugal...o maravilhoso destino aonde um "enfermeiro de animais (enf veterinario)" é pago como licenciado enqto um enfermeiro de "pessoas" não...

    ResponderEliminar
  33. Identifico-me muito com este texto.. infelizmente, sou uma das que está fora do país e vê Portugal como um país de férias. Estou na Bélgica há quatro anos, e sinto cada vez mais falta do nosso país, da família, de simplesmente poder "bom dia" todos os dias a minha avozinha que tem 87 anos, ou de ver a minha afilhada crescer e aprender coisas novas todos os dias. É cada vez mais difícil dizer adeus e esperar pela próxima ida a casa... Não deixo de ter esperança, e espero mesmo conseguir voltar a casa, de vez, o mais depressa possível..

    ResponderEliminar
  34. Já não sei quem sou nem o que faço. Não sei ser outra coisa senão Enfermeira mas... será que os meus utentes sabem sequer o meu nome??? O que dizem os meus olhos?? Estou cansada, desmotivada e desiludida. A reforma dos cuidados de saúde foi um esquema bem montado. Criamos números, não cuidamos de pessoas, não há tempo. Não foi para isto que escolhi ser Enfermeira.

    ResponderEliminar
  35. Gosto de ser enfermeira porque posso cuidar das pessoas com o coração.

    ResponderEliminar
  36. Gostava de ver uma publicacao dessas com que os olhos vem dos auxiliares.
    So sao lembrados quando e necessario ajudar no banho?trazer o urinol? A rastadeira?
    Dar alimentacao? Ajudar na muda da fraldas? De leva Los Para o rx ou Para outras consultas?
    Quando e uma emergencia?
    MAs quando existe textos apenas falam dos enfermeiros a fazerem todo isto ,parecendo que fazem todo sozinhos ...
    Sim tem trabalho pesado,MAs esquecem que as costas dos auxiliar tambem nao e Ferro e se aquele banho foi pesado nao foi apenas Para o enfermeiro
    E POR vezes cada enfermeiro tem 6 ou 8 talvez mais utentes Para cuidar , MAs falando um tem out banhos os auxiliares tem todos os que conseguir ir ajudar os enfermeiros ou seja dao ralcez ou dobro ,Dao muito mais banhos .
    E quantas vezes ainda esta no banho com o enfermeiro ja esta outro chamar Para ajudar,entretanto senta se a fazer as "escrituras" ou alguns comecam a fazer algo.
    Podia ,nomear varias situacoes aqui MAs so Para dizer que aos meus olhos os enfermeiros precisam tanto dos auxiluares ,Como o medico dos enfermeiros enfim sera que nunca vai entender que Para o bem do utente e fazer trabalho de equipa e nao hieraquias no servico
    E fico POR aqui .Obrigado

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. OLA!
      TEM TODA A RAZAO!
      CONFIRME NO BLOG NA COLUNA LATERAL À DIREITA, NAS ETIQUETAS "AUXILIAR" "ASSISTENTE OPERACIONAL", SÃO TANTAS E TANTAS AS VEZES QUE DEFENDO A CLASSE QUE TANTO RESPEITO

      Eliminar