terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Serviço de Urgência ameaça ruptura por falta de Assistentes Operacionais.


O Serviço de Urgência está a entrar num ponto de ruptura devido a falta de Assist. Operacionais. Para que se entenda a profundidade desta delicada questão, seria importante recuar. Neste serviço, a categoria de Assistente Operacional subdivide-se em duas, vulgarmente designadas: Auxiliares (mulheres) e Maqueiros (homens). Este ponto prévio, já foi alvo de análise num antigo post ("O problema dos maqueiros") e por isso não vou aqui discutir se deveria ser assim, ou não, mas para quem está de fora e para o que de seguida será dito, é importante perceber que existem essas duas "sub-categorias".

Continuando então, é incompreensível, aos meus olhos e aos olhos de muitos, que num Serviço de Urgência esteja escalada UMA Auxiliar, quando deveriam estar TRÊS presentes. É incompreensível que por sistema estejam escalados dois Maqueiros, quando deveriam estar três presentes. Para muitos poderá ser um problema pouco significante, mas quando vos digo que os cuidados de saúde são fortemente prejudicados devido à falta de Assistentes Operacionais, vocês certamente pensarão duas vezes se levam o vosso filho ou a vossa mãe, para um Serviço com falta de pessoal. 
Quem vive diariamente o Serviço tem a perfeita noção que três Auxiliares já é pouco, para um Serviço com demasiados períodos intensos, agora imaginem uma! Uma para auxiliar nos cuidados ao doente emergente, para limpar as instalações, para serviços de estafeta, para repor material, para auxiliar nos cuidados ao doente nas diferentes áreas do Serviço de Urgência (Admissão, Pediatria, Triagem, Reanimação, Trauma, Ortopedia, Macas) e quando digo cuidados, refiro-me a todo tipo de cuidados (higiene, técnicas, posicionamentos, etc), para três mulheres já não é fácil, agora imaginem para UMA! Quem tem responsabilidades nisto? Quem decidiu que assim fosse?
Será que é muito caro admitir Auxiliares?? Para o ordenado miserável que lhes pagam certamente que não é... há médicos que ganham 50 vezes mais.
Porém o problema não passa só pela não admissão de mais Assist. Operacionais, o problema é mais grave do que isso e é o que mais se tem vindo a falar nos corredores da Urgência, é a quantidade alarmante de baixas médicas por "doença" destes funcionários. 
O fenómeno poderá ser típico nos portugueses e poder-se-à estar a avolumar nos últimos anos com a crise económica/social mas, mesmo assim, porque é que o Serviço de Urgência tem uma quantidade absurda de Assist. Opercionais com baixa???
Quem investiga a veracidade dessas baixas?
Quem é responsável por manter nos quadros do Serviço de Urgência, Assist. Operacionais com graves problemas funcionais, aos quais são atribuídos "cuidados moderados"? Mas o que são cuidados moderados num Serviço de Urgência!!?? Não há cuidados moderados num Serviço de urgência!! Como colocam uma senhora que tem graves problemas de coluna (suponho eu) num cargo onde é necessário ajudar a transferir doentes de maca para maca, por vezes de 2 em 2 minutos??? E depois, como não consegue fazer esse serviço, tem que chamar e esperar por outro colega, com outras funções. 
Quem são os responsáveis?
E quem enfrenta as consequências da falta de Assist. Operacionais? São os doentes que não são atendidos atempadamente, são os enfermeiros porque ficam sem ajuda e são os próprios Assist. Operacionais que lá estão, que têm que se multiplicar em serviços, porque estão em número reduzido.

Digo-vos com toda a sinceridade, é triste a situação dos Assist. Operacionais, são mal pagos, trabalham nestas condições e ainda por cima não lhes é pago os suplementos do trabalho nocturno, como pagam a todas as outras categorias profissionais .. mas isso é ainda outra rude questão... por enquanto ficamos por aqui.

23 comentários:

  1. A MOVING PEOPLE PORTUGAL RECRUTA DE MOMENTO:

    - ENFERMEIROS PARA TRABALHAR NA BÉLGICA.

    POR FAVOR ENVIE O SEU CV PARA: fs@movingpeople.com

    visite também a nossa página do facebook:
    www.facebook.com/movingpeopleportugal

    ResponderEliminar
  2. de certeza que são funcionários publicos, se fossem contratados não recebiam...

    ResponderEliminar
  3. doutor da mula russa9 de janeiro de 2013 às 18:23

    e quando calha a dupla maravilha de maqueiros?!?! as macas das ambulâncias a entrar no corredor e eles a esconderem-se por trás do balcão lá ao fundo...
    isso sim, é que é trabalhar!

    ResponderEliminar
  4. Eles escondem-se por todo o lado. Mas agora há possibilidade de despedimento e contratem uma empresa. Quem manda não tem possibilidade de reportar estas coisas?

    ResponderEliminar
  5. Boa tarde a todos,até que enfim que reconhecem a nossa prestação de serviço como assistentes operacionais.Eu exerço funções neste hospital por volta dos trinta anos,e hoje posso dizer que não sei o que é um atestado.Actualmente é o que mais se faz é meter atestados,não seria benéfico que investigassem bem essas ditas doenças(algumas)Essa de dupla maravilha de maqueiros tem mesmo graça,parece de um filme de pistoleiros,foge senão és atingido.Saudações operacionais para todos,e pensem em vir trabalhar que ficamos a espera.

    ResponderEliminar
  6. Caro Guilherme esta notícia está hoje 19-01-2013 no site www.iol.pt. Já aqui tinha alertado que a denúncia subscrita ou não é, sem dúvida, um ato de cidadania. Se entenderes que deves publicar fico contente. Pela parte que me toca não me vou calar contra todas as ilicitudes que vou percebendo, particularmente em contextos de formação e certificação, porque não é justo, nem tolerável o que por aqui se passa.
    .....................................................................................
    A Procuradora-Geral Adjunta Cândida Almeida exortou, na noite de sexta-feira, os cidadãos a denunciarem crimes de corrupção, frisando que, ao fazê-lo, «não são bufos», antes pessoas que lutam pela democracia.

    «Não são bufos quando denunciam a corrupção. Estão é a lutar pela democracia que deve imperar na nossa vivência coletiva», defendeu Cândida Almeida, em Cantanhede, dirigindo-se à assistência durante um debate promovido pela associação de pais da escola secundária local.

    A também diretora do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) frisou que os magistrados, órgãos de polícia criminal e sociedade civil possuem «o direito e o dever» de se unirem «e colaborarem todos com a investigação» de casos de corrupção.

    Cândida Almeida disse existirem «várias soluções na lei» que permitem a colaboração «imprescindível» dos cidadãos, sem a qual, alertou, a luta contra a corrupção não será vencida.

    «E, portanto, estamos, digamos, numa espiral de criminalidade, de fraude fiscal, de branqueamento [de capitais], de corrupção», alertou.

    A magistrada revelou ainda que a linha para receber denúncias contra a corrupção, criada pela Procuradoria-Geral da República (PGR), recebeu mais de 2.000 denúncias desde novembro de 2011.

    «Mas são mais denúncias de pedidos de ajuda do que propriamente de corrupção. Há muitas denúncias de fraude fiscal, mas de corrupção são muito poucas», referiu.

    «Mas as pessoas podem denunciar atos corruptivos de que tenham conhecimento, identificando-se ou não se identificando», adiantou.

    Cândida Almeida explicou ainda que «nada» nas denúncias dá automaticamente origem a um processo.

    «Faz-se uma averiguação, a lei prevê averiguações preventivas para apurar da fiabilidade desta denúncia e, se houver indícios, passa para uma investigação», frisou.

    ResponderEliminar
  7. Nesse serviço, há dupla maravilha, irmãs maravilha, "auxiliares maravilha" e tanta e tanta coisa maravilha. De facto, há assistentes operacionais que ao que ganham, muito trabalham; mas há outros/as que deviam pagar para lá estarem, desculpem, raramente lá estão.

    ResponderEliminar
  8. Então andam para a dizer que o Tantas vai para o SIE, porque vai ter um atestado de trabalho incapaciatado. Ó Sr. Presidente tenha mão nisto!

    ResponderEliminar
  9. O Tantas anda também por aí a dizer que o mano tem imunidade porlamentar do Sr. Presidente com degolação de incompetências. Tá visto, tudo fora de prazo!

    ResponderEliminar
  10. De facto é vergonhoso que os assistentes operacionais, vulgo auxiliares, sejam tão maltratados. No hospital onde trabalho nem sequer têm direito a que a lavandaria lhes lave e engome os uniformes. São obrigados a levarem-nos para casa, cheios de micróbios, para os lavar!! E depois venham falar-me de controlo de infecção...

    ResponderEliminar
  11. Pois é. Isto é uma pouca vergonha. A ULSAM está a caminhr ao ritimo dos estaleiros. O Problema é ver quem acaba primeiro. Aliás, não é a ULSAM, é o país. Ainda ninguém falou do órfão do trabalho que o tal gestor da urgência anda a apadrinhar?

    ResponderEliminar
  12. Por acaso neste serviço não há um diretor de serviço, um gestor de serviço e um/dois enfermeiros chefes, (um que por acaso se considera a pessoa mais inteligente do serviço e só ele é que é competente), que têm por obrigação porem cobro a estas situações? Só sabem afirmar que os rácios são para se cumprirem e o resto é treta. Infelizmente deste sistema estou eu e outros como eu farta. Deixem-se de blábláblá.

    ResponderEliminar
  13. Podem crer que é verdade, o tantas é certo que vai para o sie. Pergunto, como é que isto é possível. Entrou para o such, lavar vidros, ao que parece queria ser chefe. Foi embora. Entrou para maqueiro, não sei que tipo de contrato lhe foi feito. Atestado por acidente em trabalho, há quanto tempo está de baixa? Não sei, talvez meses, e agora dizem, que para o próximo mês irá fazer companhia a alguém do sie. Afinal nesta casa ainda há boys. Por que raio o meu pai, irmão, não tem emprego no hospital? Se tivesse, talvez, conseguisse outro trabalho, pelo menos a ganhar mais e a fazer menos. Dois em um.

    ResponderEliminar
  14. Afinal há tantas maneiras de fazer as coisas. O ex Presinte diz que foi enganado e lá autorizou um contrato sem termo. O Presidente que ainda é escorregou na casca da banana que lhe estenderam.Afinal o sujeito o que não quer é vergar a mola. Mas o que eu admiro é questa situação já há meses que aqui tinha sido abordada. Andam por cá alguns visionários. Parabéns ao Presidente é caso para dizer cá por Abrantes está tudo como dantes.

    ResponderEliminar
  15. São todos é uma mão de bananas. 2ªfeira lá estará nas oficinas. tenham vergonha. se está doente da espinha e não pode trabalhar na urgência que é que vai fazer para as oficinas. não tem lá pessoas que cheguem e sobre. maldita casa que tanto mal tens feito a outros funcionários. vale a pena ser malandro nesta casa.

    ResponderEliminar
  16. Caro Presidente da ULSAM.

    Como amigo e teu colega, deixo-te os seguintes conselhos e aceita-os segundo a tua interpetação:

    Desconfia do Amados Tantas, substituo-o, porque não te vais arrepender.

    Manda fazer uma auditoria aos Mouras do Aprovisionamento e família, para saberes os seus envolvimentos que muito te comprometem ( Onde está o cumprimento da circular sobre ética do C.A,, esta não se aplica ao tio mouca e sobrinha ramilosa?).

    Quando controlas a troika, galheiros, videiras, gamalhosas, que estão a destruir a árvore porque que tu tanto te empenhas e está a morrer por tanta incompetência e abuso do puder em proveito próprio?

    Acredita que os teus assessores em quem depositas confiança, não prestam nem merecem a tua consideração, porque só te deixam ficar mal. Corre com elas e com eles, porque não prestam e são teus traidores.

    Coloca a ULSAM e suas chefias em ordem, porque se não o fizeres, vais saír de rastos e conivente com tudo de mal que se passa . Tu, caro colega e amigo, não mereces as armadilhas e traições daqueles que em mais confias te estão a fazer.

    Sai pela porta grande e não queiras sair pela pequena.

    Faz uma reflexão e decide...




    ResponderEliminar
  17. este comentário nada ou pouco tem a ver com o título; nasci depois do 25 de abril, muitas vezes ouvi falar de igualdade (semelhança, paridade,uniformidade,...); simplesmente pergunto a quem me souber responder, penso que poucos, qual o motivo de alguns serviços darem a segunda- feira de páscoa (SIE, APROVISIONAMENTO e OUTROS), sinal que não fazem falta alguma estes serviços funcionarem. questiono: não trabalharam mas vão receber, eu e muitas outras/os trabalhamos e o que é que nos vão dar? será que esse dia nos vão pagar a dobrar ou nos vão dar um dia sem trabalhar mas a receber. até acredito que há nestes serviços excesso de funcionários. uma vez que alguém lhes deu esse dia, peguem neles e coloquem-nos noutros que tanta falta fazem. com que autoridade, será ordem do c.a., que estas regalias são só,mas só, são para alguns? já agora, quantos enfermeiros chefes, quantos gestores de departamento, quantos chefes de serviço trabalharam nesse dia? é revoltante isto acontecer e ninguém tomar uma atitude de igualdade. resposta: "deixem lá, já passou, no próximo ano vai ser igual, mas não haverá igualdade", pois não trabalhas nos serviços de exceção. quem controla isto e muito mais que se passa nesta casa? eu sei quem devia ser mas, também, não foi trabalhar as horas que devia trabalhar. estamos nós a falar no mesmo e nos mesmos.

    ResponderEliminar
  18. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  19. Por favor, deixem-me dizer algo, acreditem, é pouco. Quem assinou a mobilidade do sr. "Tantas" júnior soube muito bem o que fez ou dormia, ou continua a dormir. Por acaso, já alguém viu esta nova aquisição do sie com alguma peça de ferramenta na mão? Por que raio a mim me exigiram que fizesse fisioterapia fora do horário de trabalho e esta vedeta faz na hora de serviço? Por favor, digam-me o que é que ele faz. Sempre que estou de serviço vejo-o a deambular pelos corredores a dar uns bitaites com alguém, a trabalhar nuca o vi, a não ser que o trabalho dele seja pelo rx, piso 1, máquinas do café e andar nos elevadores. Por acaso isto vai continuar? Parece-me que o melhor é passar a ir para o emprego, não trabalho, de fato e gravata. Eu, que trabalho há quase trinta anos começo a ter vontade de nada fazer, mas, infelizmente sempre trabalhei e não fui malandra faz-me impressão ver destas coisas e ninguém lhe enfiar um biqueiro no rabiote, assim como a outros que para estas bandas fazem o mesmo. Como é que é possível isto acontecer? Questiono, que autoridade tem alguém que chefia, ou que diz que manda nesta barraca, exigir que eu trabalhe quando provavelmente foi uma que tudo fez para que tal situação acontecesse? Estou a começar a ter vômitos quando vou trabalhar para este tarrafal...

    ResponderEliminar
  20. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  21. Á falta de assistentes operacionais gostaria que responde-se os próprios responsáveis ou seja o Sr. (retirado por adm.) do 3º piso, mas para que isso acontece-se tinham de fazer um tratamento; é que ambos são uns mentirosos compulsivos da pior espécie, e ambos tem um controle hospitalar, que até ponho em duvida se não mandam mais que o Sr. Administrador.
    Podia descrever aqui centenas de barbaridades e trafulhices, desde perseguição, proteção de inúmeros trabalhadores com bom lombo para vergar a mola e estão em trabalhos moderados, recebimento de luvas em ouro na residência do próprio etc...etc...

    ResponderEliminar
  22. É de lamentar que o administrador do blogg tenha retirado o nome que consta no anónimo de 16 de Abril às 16.03. Os touros devem ser conhecidos pelos nomes. Tenho a certeza que esse anónimo é que é mentiroso compulsivo e muito mais.

    ResponderEliminar
  23. Mas, afinal, o que é que está acontecer para estas bandas? Mais uma nomeação para um serviço criado por quem? É urgente fazer cortes, segundo o ministério 100 milhões. Os cortes, nesta casa, são criar postos de trabalho para doutores; pergunto: - doutores formados em quê? Como é possível, há bem pouco tempo para as bandas da sub-região eram assistentes técnicos, agora são técnicos superiores. O hospital, porventura, estava assim tão mal por falta destes doutores, não me parece. A opinião que tenho e que ouço é que estava bem melhor. Isto mais parece um bando de pardais à solta.

    ResponderEliminar